Empresa

A AES Brasil registrou lucro líquido de R$ 27,5 milhões no segundo trimestre do ano, queda de 77% na comparação anual, resultando em uma margem líquida de 4,9%, o que representa recuo de 20,1 pontos porcentuais (p.p) na mesma base de comparação.

Foto: AES Brasil/Reprodução
Lucro líquido da AES Brasil caiu 77% no segundo trimestre ante o mesmo período de 2020 - Foto: AES Brasil/Divulgação

Segundo balanço divulgado pela companhia na véspera, o resultado foi impactado principalmente pela maior despesa financeira líquida no valor de R$ 80,4 milhões pela liquidação antecipada do risco hidrológico (GSF, na sigla em inglês) e maior depreciação e amortização no valor de R$ 41,7 milhões devido à amortização do reconhecimento do GSF no quarto trimestre de 2020.

No período, o Ebtida (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) foi de R$ 257 milhões, baixa de 6,6% ante igual período do ano anterior, enquanto a receita líquida da companhia subiu 18,1% na base anual, para R$ 561,4 milhões.

Por fonte, o lucro líquido da área hídrica foi de R$ 24,2 milhões no segundo trimestre do ano, valor 79,7% menor que o mesmo período de 2020, enquanto o Ebitda caiu 11,6% na mesma base de comparação, para R$ 162,1 milhões. A receita líquida alcançou R$ 416,3 milhões no trimestre, alta de 13,2% na base anual.

A AES Brasil encerrou o segundo com uma dívida líquida R$ 4,729 bilhões, 76,2% maior que o visto no mesmo trimestre do ano anterior, enquanto a alavancagem, medida pela relação dívida por Ebitda era de 2,14 vezes.

Energia eólica e solar

No caso da energia eólica, o lucro líquido foi de R$ 22,3 milhões no período, uma queda de 31,8% na comparação anual, enquanto o Ebitda caiu 9,1% na mesma base de comparação, para R$ 52,6 milhões. No período, a receita líquida somou R$ 110,0 milhões, uma alta de 44,9%.

A geração solar registrou lucro líquido de R$ 21,0 milhões no segundo trimestre, valor 22,0% maior que o mesmo período do ano passado, enquanto o Ebitda caiu 9,4% na mesma base de comparação, para R$ 31,1 milhões. A receita líquida teve uma leve queda de 2,3%, para R$ 37,2 milhões ante igual período de 2020.

Os custos de produção e operação de energia pela AES Brasil totalizaram R$ 378,4 milhões no segundo trimestre de 2021, uma elevação de 59,7% sobre o segundo trimestre de 2020. / com Agência Estado

Imagem do autor

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Visualizar Comentários

Veja mais Ver mais