Última modificação em 18 de junho de 2019

O que é venda a descoberto?

Muito comum na bolsa de valores, venda a descoberto é uma prática que consiste na venda de um ativo que você não possui em carteira. Em inglês, essa prática é conhecido por short selling.

Embora seja um conceito relativamente simples, a venda a descoberto gera muitas dúvidas entre os iniciantes do mercado financeiro. Isso porque o processo se inverte ao caminho natural: primeiro você vende, depois compra. Pode parecer confuso, mas vamos explicar detalhadamente a partir de agora.

Como funciona uma venda a descoberto?

O uso da venda a descoberto é especialmente útil em cenários de baixa, quando o investidor entende que uma determinada ação irá desvalorizar. Pensando nisso, ele tem a oportunidade de vender a descoberto e, posteriormente, comprar essa mesma ação a um preço menor.

Para ficar mais fácil de entender, suponha uma empresa cuja ação está com preço em R$100. Em um determinado dia, por quaisquer razões, você identifica uma possível queda no valor. Vamos considerar que, hipoteticamente, essa premissa estava certa e agora ela seja negociada por R$88.

Neste cenário, seria possível realizar essa operação com a compra por R$88. Como você já tinha feito a venda a descoberto por R$100, tem nesse momento um lucro de R$12 (100 - 88 = 12).

É óbvio que, nessa simulação, tudo transcorreu bem. Isso não significa que não exista risco: essa ação poderia ter valorizado no período. Assim, talvez fosse necessário comprá-la por um preço superior à venda — e isso representaria um prejuízo ao investidor.

Qual o prazo de uma operação de venda a descoberto?

Em resumo, uma operação de venda a descoberto tem um investidor vendendo um ativo com a premissa de comprá-lo posteriormente. No entanto, qual é o prazo que ele tem para fazê-lo? Geralmente, essa é uma prática é de curto prazo. Existem dois cenários mais comuns:

Quais as vantagens de uma venda a descoberto?

Todo investimento apresenta vantagens e riscos, cabendo ao investidor julgar quando vale (ou não) a pena aplicar capital em um determinado ativo. Vamos começar pelas vantagens.

A principal delas é permitir estratégias em momentos negativos da economia. Sem usar da venda a descoberto, seria extremamente arriscado fazer qualquer operação em cenários de queda visto que só seria possível comprar.

Além disso, como vimos, essa prática permite a negociação de ações que você não possui na sua carteira. Isso, afinal, possibilita explorar oportunidades que surjam em curtos intervalos de tempo.

Quais os riscos de uma venda a descoberto?

O maior risco de vender a descoberto é o prejuízo. Quando você compra uma ação e ela começa a cair, existe um limite: o preço zerar. Ainda que isso raramente aconteça, na teoria é o risco máximo.

No caso de uma venda a descoberto não existe esse limite. O preço de uma ação pode subir, subir e subir, sem um teto definido. O resultado? Sem um controle preciso, o custo da operação em casos de erro pode ser exponencial. Para evitar isso, defina sempre um stop loss.

Também podemos citar o risco de oportunidade (o dinheiro empregado nessa operação, ainda que reduzido, impede o aproveitamento de outras oportunidades) e as taxas de aluguel nos casos em que a ação fique com você por um período superior a um dia.

Termo do dia

Risco Sistemático

O que é Risco Sistemático Risco Sistemático, ou risco de mercado, é o risco ao qual não apenas um ou outro ativo, mas todo o sistema…