Última modificação em 9 de dezembro de 2019

O que é Portfólio

Portfólio é um termo usado em muitos diferentes contextos. No mundo do mercado financeiro, pode se referir à carteira de investimentos, o conjunto de ativos em que um investidor (pessoa física ou pessoa jurídica) coloca seu capital.

A importância da escolha do portfólio

A escolha do portfólio é importante porque o retorno que um investidor obtém não são os resultados isolados de um ativo, mas os resultados combinados de toda a sua carteira.

Vale a pena ressaltar que a escolha do portfólio não se limita a determinar quais ativos vão fazer parte da carteira; também é preciso determinar qual será a proporção de cada ativo.


Portfólio conservador, moderado ou agressivo

Termos como conservador, moderado e agressivo são utilizados para caracterizar o portfólio de investimentos de acordo com sua tolerância ao risco e seu apetite por rentabilidade.

Um portfólio conservador tem o menor nível de tolerância ao risco e será composto basicamente por títulos de renda fixa. Enquanto isso, um portfólio agressivo tem alto nível de tolerância ao risco, portanto, terá uma proporção maior de ativos de renda variável. No meio do caminho, está o portfólio moderado.

Diversificação de portfólio

Uma das maneiras para reduzir os riscos em investimentos é diversificar o portfólio. Isso significa que o investidor escolhe uma certa variedade de ativos para garantir que, se um deles desvalorizar, outro vai valorizar, havendo sempre uma compensação com saldo positivo.

A diversificação pode ser feita em diferentes níveis. Veja um exemplo:

Agora, um outro exemplo:

Isso significa, é claro, que o investidor tem muitas decisões a tomar quando começa a montar seu portfólio de ativos. Alguns especialistas alertam para dois pontos importantes sobre a diversificação do portfólio.

O primeiro ponto é que diversificar e pulverizar são coisas distintas.

Pulverizar é realizar seus investimentos de maneira aleatória, distribuindo seu capital entre uma grande quantidade de ativos que não conhece. Nesse caso, o investidor não está exercendo nenhum controle sobre sua carteira, pois não está realmente escolhendo em que vai investir. E, mesmo que a estratégia funcione para mitigar riscos, o retorno deverá ser muito baixo.

Para realmente aproveitar os benefícios da diversificação, o investidor deve ser criterioso na escolha dos ativos que vão compor seu portfólio.

O segundo ponto importante é que a diversificação não irá proteger o investidor contra o risco sistêmico. Ou seja, se houver um colapso na economia do país, a diversificação não garante a proteção integral do capital do investidor.

Como calcular o retorno do portfólio de investimentos

Justamente por reunir vários ativos diferentes, em proporções diferentes, calcular o retorno do portfólio não é tão simples.

O primeiro passo é definir o período para o qual você quer calcular o retorno: diário, semanal, mensal, trimestral, anual. Então, é preciso acompanhar a posição de cada ativo nesse período, já que você pode vender, reduzindo as posições, ou comprar mais ativos, aumentando as posições ao longo do tempo. Por fim, é preciso estabelecer qual é o valor de cada ativo no momento inicial.

No final do período, você reavalia o valor de cada ativo. Não se esqueça de contabilizar qualquer valor recebido no meio do caminho, como dividendos das ações.

A partir dessas informações, é feito o cálculo do retorno. De forma extremamente simplificada, a fórmula seria:

Retorno= 

[(Vf-Vi)Vf.100]

Onde:

O retorno será dado na forma de uma porcentagem.

Descomplicando a Bolsa de Valores

Termo do dia

Keynes

Quem foi John Maynard Keynes John Maynard Keynes foi apontado pela revista norte-americana Time como uma das personalidades mais importantes do século passado. Economista fundador da…

Veja outros termos