Open Nav Logo Mais Retorno

Política Monetária

O que é política monetária?

A política monetária representa o conjunto de medidas que são tomadas por autoridades do ramo econômico (Bancos Centrais e demais instituições subsidiárias) para interferir na circulação da moeda e na relação oferta e demanda do mercado financeiro.

Entre as principais medidas adotadas na política monetária pode-se citar o recolhimento compulsório (um depósito obrigatório que os bancos comuns devem realizar, conforme a conveniência do BC) e a alteração da taxa básica de juros.

Em todos os casos, ela é usada como ferramenta de controle econômico, de modo que possibilita a influência governamental sobre as dinâmicas de consumo e o desempenho financeiro do país.

Para tanto, são necessárias adaptações nas estratégias aplicadas, de modo a alcançar o resultado desejado naquele contexto. Isso explica, então, a existência de dois tipos diferentes de política monetária: a expansionista e a contracionista.

Atuando em conjunto com a política fiscal e cambial, a política monetária compõe ainda a estrutura principal das políticas financeiras de um país.


Como a política monetária funciona?

Para a adoção de políticas monetárias, as instituições com poder para atuar na administração da economia nacional adotam alguns mecanismos de influência.

Elas compreendem o efeito que a alteração dos juros ou da taxa de redesconto, por exemplo, provocam sobre variáveis como a inflação.

Embora alguns leigos encontrem dificuldade para, já no primeiro momento, identificar como essa dinâmica se concretiza (o que a taxa de juros tem a ver com a inflação, oras?), após entendê-la ela se torna extremamente intuitiva.

Vejamos, então, algumas das principais ferramentas utilizadas hoje em dia nas políticas monetárias:

A alteração da taxa básica de juros (a taxa Selic)

É a medida mais conhecida!

De tão comentada, até aquele seu parente mais desleixado, que não se preocupa em nada com educação financeira, já deve estar cansado de tanto ouvir falar da taxa Selic. Isso porque sempre que o Banco Central decide ajustá-la, há um grande efeito sobre os investimentos, a atividade bancária e o consumo do cidadão médio - e todos os meios de comunicação noticiam a novidade.

Dentro do Banco Central, há um comitê formado especialmente para a definição da taxa Selic: o COPOM (Comitê de Política Monetária).

Os membros do COPOM se reúnem a cada 45 dias para decidir se a taxa básica de juros sobe ou desce. E o que motiva a escolha? O interesse do Banco Central em refrear ou alavancar a inflação.

Quando a taxa básica é elevada, as taxas cobradas pelos bancos também se eleva.

Dessa forma, o acesso ao crédito se torna mais difícil e, com menos dinheiro disponível para gastar, as famílias acabam por comprar menos.

Seguindo a lei da oferta e da demanda, conforme a demanda cai, os preços (e, portanto, a inflação) também caem.

Já quando o contrário acontece e a taxa básica é reduzida, é mais fácil conseguir empréstimos no país, visto que os juros bancários tendem a diminuir também.

Com mais dinheiro à disposição, as famílias gastam mais, assim como as empresas viabilizam um volume maior de investimentos.

A lei da oferta e da demanda passa a privilegiar o primeiro o demandante e a inflação, em uma economia acelerada, tende a subir.

Fácil, né?

Pois saiba que, na prática, nem sempre é simples assim controlar o comportamento econômico, devido a todas as variáveis (sociais, políticas etc.) que podem impactar o mercado financeiro.

Recolhimento compulsório

O recolhimento (ou depósito) compulsório se caracteriza como uma taxa percentual cobrada dos bancos em transações relacionadas aos produtos bancários.

O percentual é definido pelo próprio Banco Central, de acordo com a conveniência.

Em suma, o recolhimento compulsório é visto pelo BC como uma forma de restringir a moeda em circulação, retirando-a diretamente de quem a fornece ao mercado: os bancos comerciais. Suprime-se, então, o multiplicador bancário.

Taxa de Redesconto

A taxa de redesconto é conhecida como a taxa de juros usada pelo Banco Central nos empréstimos feitos aos bancos comerciais.

Essa linha de crédito é tomada pelos bancos como forma de restabelecer o capital em caixa. Para o Bacen, é uma medida de controle monetário.

Afinal, quanto maiores forem as taxas pagas pelos bancos, maiores são as dificuldades impostas por esses ao emprestar dinheiro para os cidadãos comuns e para as empresas, diminuindo assim a moeda em circulação.

Por outro lado, quanto menores as taxas, mais “barato” o dinheiro se torna para o consumidor, propiciando um aumento do dinheiro disponível na economia.

Quais são os tipos existentes de política monetária?

A política monetária pode acontecer com dois objetivos distintos: o expansionista e contracionista.

Ao se dizer que um país está adotando uma política monetária expansionista, indica-se que o Banco Central está adotando medidas para aumentar a oferta de dinheiro em circulação (como a diminuição da taxa Selic, por exemplo).

Por outro lado, se o que ocorre é uma política monetária contracionista, o posicionamento adotado é justamente o contrário: com o objetivo de controlar a inflação, o governo está lançando mão de ferramentas que diminuam a oferta da moeda (como o aumento do percentual de recolhimento compulsório).

Avalie esse texto e nos ajude a melhorar cada vez mais.

Nos ajude a melhorar o conteúdo desse texto! Envie um complemento ou correção por aqui para deixar esse conteúdo ainda melhor. Seu nome pode ser citado como revisor desse conteúdo com a sua permissão! ;)

Envie sua sugestão