Última modificação em 19 de novembro de 2020

O que é operar comprado?

Operar comprado é uma operação financeira na qual um investidor compra um título com a expectativa de vendê-lo por um valor mais alto. É uma das operações mais comuns do mercado financeiro. 

Suponha, por exemplo, que um investidor compre 100 ações da empresa X por R$ 10 cada uma, ou seja, investiu o total de R$ 1000. Após uma semana, esses ativos se valorizam e o seu preço unitário atinge R$ 20. Assim, esse investidor pode vender os papéis recém adquiridos por R$ 2000, operando comprado com um lucro de R$1000. 

Claro, para obter sucesso nessa operação é preciso conhecer o mercado financeiro, a economia global e fazer uma boa análise do cenário atual para encontrar boas opções de investimento. Isso ocorre porque o investidor deve identificar quais ativos têm maior potencial de valorização de curto e médio prazo, caso contrário, corre o risco de vender seus papeis por um preço menor do que pagou na compra, o que causaria prejuízo. 

Alguns sinais indicam que determinado ativo poderá se valorizar. Fundos imobiliários que tenham em sua cartela imóveis construídos em áreas que estão sendo revitalizadas, provavelmente poderão ser vendidos a um valor mais alto que o de compra. Reestruturações societárias, mudança nos hábitos dos consumidores, falência de uma empresa concorrente e aportes financeiros também podem indicar que determinadas ações se valorizarão nos próximos meses. 

Claro, isso não significa que não haverá quedas acentuadas e imprevistos ao longo do caminho (a queda gerada pela Covid-19 nos mercados globais de ações, que começou em fevereiro de 2020,  é um excelente exemplo), o que pode ser desastroso para os investidores. 

Vale observar que operar comprado difere de comprar ações para obter rendimentos periódicos, como dividendos. No primeiro caso, o investir tem o objetivo claro de lucrar com a venda dos papeis e não deseja mantê-los na sua carteira de investimentos por muito tempo. 

Qual a diferença entre operar comprado e operar vendido?

Além de operar comprado, é possível operar vendido - uma operação menos comum. A ordem dessa segunda operação é invertida, ou seja, o investidor lucra com a venda de ativos e com a sua posterior recompra a um preço inferior. 

Nesse caso, só se obtém lucro caso os ativos se desvalorizem no mercado, o que significa que é importante estudar o comportamento da economia para obter sucesso nessa operação.

Outras estratégias de operação

Operar comprado e operar vendido são estratégias de investimento. Uma das variáveis que difere entre as duas é o tempo — o período pelo qual se conserva uma mesma posição é fundamental para determinado o perfil de um investidor. Vejamos algumas estratégias que levam esse fator em consideração:

Estratégia de longo prazo: Nesse caso, o investidor compra ações com a expectativa de que os ativos se valorizem a longo prazo. A estratégia de comprar e manter poupa o operador da necessidade de observar constantemente o mercado ou o timing, garantindo que os ativos resistam aos inevitáveis ​​altos e baixos. Vale observar, a história está do lado dos investidores de longo prazo, pois a maioria das ações, inevitavelmente, se valoriza com o tempo.

Estratégia de curto prazo: Nesse caso os investidores compram ações e as vendem no decorrer de poucos dias e até poucas semanas. É aqui que entram as operações de comprado ou vendido, que dependem de uma análise técnica do mercado. 

Estratégia de curtíssimo prazo: são investidores que compram e vendem ações várias vezes ao dia e lucram com a especulação. São chamados de day traders e scalpers.

Termo do dia

Custo de Capital

O que é Custo de Capital? Custo de Capital é um termo que pode ser usado em diferentes contextos, com sentidos ligeiramente diferentes. Porém, o sentido…