Última modificação em 30 de outubro de 2020

O que é Inflação Estrutural?

A inflação estrutural é decorrente da precariedade física dos ambientes onde são produzidos ou até mesmo transportados diversos bens de consumo do nosso país.

Ao falarmos sobre inflação de um modo geral, temos uma ideia objetiva a respeito do aumento de preços que ocorre de tempos em tempos no mercado. Normalmente, essa ideia vem acompanhada de muita negatividade e pouco conhecimento sobre o assunto.

Você já parou para analisar por que a inflação acontece? Num primeiro momento, podemos até pensar que esse processo só nos "empobrece", visto que pagamos mais caro pelos produtos sem que haja um reajuste simultâneo em nossas remunerações, certo?

O que custava R$10 agora custa R$15 e nós continuamos com o mesmo salário ano após ano...

Entretanto, a inflação não acontece com esse objetivo - acredite! A partir do momento em que entendemos o processo, ele se torna uma ação coerente de acordo com a realidade econômica do nosso país.

Você sabia que além da inflação estrutural, existem diversos outros tipos?

Como a Inflação Estrutural funciona?

Conforme falamos anteriormente, esse tipo de inflação tem relação direta com a estrutura física as quais as produções são submetidas. 

Imagine uma fábrica, por exemplo: equipamentos enferrujados ou em mau estado de conservação podem influenciar diretamente na confecção dos bens, estragando-os. Ou então, a precariedade na arquitetura do local pode agregar uma série de riscos e periculosidade para os funcionários.

Esses e outros fatores acabam elevando o custo da produção, visto que a empresa precisará dispor de muito mais dinheiro para efetuar um serviço de qualidade!

A inflação estrutural pode ser aplicada, ainda, sobre as condições de transporte do bem de consumo. Ou seja, caminhões em mau estado de conservação ou estradas demasiadamente esburacadas podem causar um impacto prejudicial ao produto.

Pense numa distribuidora de carnes bovinas: são produtos que demandam de cuidados especiais com relação a temperatura, armazenamento, embalagem, e assim por diante, certo?

Caso o frigorífico não atenda as exigências com relação a estrutura necessária para esses produtos, como câmaras frias funcionando perfeitamente, por exemplo, as carnes poderão sofrer uma alteração sensorial e consequentemente, terem seu preço inflado por restarem poucas unidades boas para consumo.

Ou seja, por conta da má estrutura do local, o produto será vendido mais caro.

E aqui nós entramos naquela questão de "empobrecer" o consumidor. Veja, se as poucas unidades que restaram fossem vendidas a um custo normal, a oferta não supriria a demanda, o que iria causar problemas lá no início da linha de produção.

Em outras palavras, para não permitir que o problema se espalhe por toda a cadeia comercial, a inflação é colocada em jogo. Já ouviu uma frase que diz "é ruim, mas é bom"? Então, é exatamente isso. A gente paga um pouco mais agora, pra não ter que arcar com consequências econômicas maiores ainda! 

Além da Inflação Estrutural, quais são as outras que existem?

Além da inflação estrutural, podemos citar a inflação por demanda e a inflação de custos.

A inflação por demanda acontece exatamente da maneira como o exemplo anterior foi descrito: os preços dos produtos aumentam porque a procura não é equivalente a oferta.

Já a inflação de custos acontece quando a empresa não é capaz de arcar com o preço dos recursos utilizados em sua produção.

Perceba que, de certa forma, todas as inflações se assemelham. A diferença entre cada uma delas está exatamente na distinção do estágio em que cada falha pode acontecer, seja ela estrutural, de demanda ou de custos.

Se olharmos por uma nova perspectiva, veremos que as inflações são dívidas e acontecem justamente para prevenir que toda a cadeira seja negativamente afetada por conta de um único setor!

Termo do dia

Moldagem

O que é a Moldagem? Moldagem é o nome dado a um tipo de função mental diretamente ligada à memória e aos chamados vieses cognitivos. Por…