O que é um fundo espelho?

O fundo espelho é um fundo de investimentos, cujo objetivo principal é investir em outro fundo através dele.

Em função disso, como ele vai acabar replicando os resultados do ativo em que investir, recebe então esse nome na medida em que "espelha" também a sua rentabilidade.

O que vai acontecer nesses fundos espelhos é que eles passam a ser fundos de investimentos em cotas (FIC) e têm como única função propiciar aos gestores um novo produto para investimentos, repetindo o modelo de atuação de um fundo principal.

Você pode conferir um exemplo disso na nossa plataforma de análise dos fundos de investimentos. Lá temos o fundo espelho Verde FIC FIM que, ao menos até o momento em que este texto foi produzido, tinha quase 97% do seu patrimônio alocado em outro fundo da gestora Verde.


Como funciona um fundo espelho?

Talvez você esteja se perguntando por que as gestoras criam um produto que investe em outro fundo se a ideia é apenas copiar os mesmos resultados e alocações de um fundo principal, certo? Vamos explicar melhor esse trabalho.

O foco de um fundo espelho é facilitar a vida do investidor, especialmente do iniciante. Esse tipo de fundo é, geralmente, mais simples para comprar cotas do que os fundos principais.

Uma dessas facilidades é o investimento inicial. O valor unitário da cota do fundo espelho não é igual ao seu fundo principal. Além disso, o valor mínimo para investimento pode ser menor, popularizando o acesso ao produto.

Não podemos nos esquecer que muitos dos melhores fundos de investimentos são destinados aos investidores qualificados. Sendo assim, o investidor individual acaba sem acesso ao ativo inicialmente. No entanto, quando surge um fundo espelho destinado ao público geral, ele pode acessar o mesmo produto.

Por que a gestora cria um fundo espelho?

Evidente que o fundo espelho não é uma ação altruísta das gestoras visando ajudar o pequeno investidor a acessar seus melhores produtos. Ela também tem seu interesse na prática que, neste caso, é o maior ganho em taxas cobradas.

Um fundo espelho é, antes de qualquer coisa, um fundo de investimentos. Sendo assim, ela cobrará taxas dos seus cotistas tanto para administração, como também de performance (quando a rentabilidade superar um indexador econômico definido).

No entanto, isso também se aplica ao fundo principal. Ou seja, quando o investidor compra cotas de um fundo espelho, ele acaba pagando as taxas duas vezes: no seu investimento e, indiretamente, no fundo principal.

Por outro lado, como já mencionamos, os fundos principais costumam ser excelentes produtos. Sendo assim, mesmo pagando maiores taxas para acessá-los, pode valer a pena no caso de ter bons gestores trabalhando com o seu capital.

Por fim, há ainda uma questão técnica. Bons fundos podem acumular um alto volume de capital, dificultando suas movimentações no mercado financeiro, de modo que é conveniente ter um fundo espelho que permita seguir captando dinheiro, mas sem deixar o gestor com ainda mais volume de capital para gerir diretamente.

Vale a pena investir em um fundo espelho?

Sempre que abordamos um ativo, uma dúvida comum que pode surgir está em relação ao interesse que um investidor pode ou não ter em usá-lo para os seus próprios aportes.

Como sempre, depende muito do seu objetivo e do seu perfil. Um fundo espelho permite ao investidor individual acessar excelentes produtos, algo que ele não poderia fazer diretamente.

Ao mesmo tempo, boa parte desses fundos são voltados para perfis moderados e arrojados. Ou seja, você deve entender qual é o trabalho do fundo principal e qual o seu nível de risco antes de comprar cotas de um fundo espelho.

Descomplicando a Bolsa de Valores

Termo do dia

Aporte Inicial

O que é aporte inicial? O aporte inicial, também chamado de aplicação inicial, corresponde à quantia em dinheiro que uma pessoa contribui para começar a investir…