Open Nav Logo Mais Retorno

Bookbuilding

O que é Bookbuilding?

O bookbuilding é o processo pelo qual uma empresa avalia, junto ao mercado financeiro, como seria a demanda por suas ações - ou outros ativos. Dessa forma, com o bookbuilding, a empresa reconhece a intenção dos investidores em comprar seus títulos na Bolsa de Valores.

O resultado para a empresa é o conhecimento sobre a quantidade de ações que os investidores gostariam de adquirir e por qual preço comprariam. O processo tem como base oferta e demanda, tentando prever com a maior precisão possível qual seria a demanda para acertar a melhor oferta.

Para entender melhor o conceito, é preciso que você considere que uma empresa que decide abrir capital demanda da adesão e da confiança dos investidores.

Para que um IPO obtenha sucesso, os investidores precisam assumir o risco da nova ação. Afinal, por mais que seja uma marca consolidada em seu mercado, uma empresa em processo de abertura de capital é apenas uma entrante novata no mercado financeiro. Por isso, ela deve ser assertiva na definição da oferta.


Para que serve o Bookbuilding?

O bookbuilding serve para encontrar o preço justo para uma oferta pública. Nesse momento, quem manda é o mercado!

É importante que você saiba que esse processo ocorre tanto para renda fixa quanto para renda variável. E também acontece quando o “Sr. João” vai abrir uma padaria.

Para fixar a utilidade do conceito, imagine que o Sr. João, com anos de experiência na arte de fazer pães, decide abrir a sua própria padaria.

Após escolher o local de funcionamento, comprar ou alugar os fornos e ajustar a compra de matéria-prima com os melhores fornecedores, o que Sr João deve fazer? Analisar o mercado e estabelecer uma faixa de preço para seu produto:

  • O menor preço possível: “preço piso”
  • O maior preço possível: “preço teto”.

Acontece que nada garante a Sr João que seu público pagará o preço que ele determinar. Além disso, até esse momento do planejamento, o Sr. João não sabe qual a demanda por seu produto. Então, o novo empreendedor recorrerá aos especialistas!

O Sr. João vai em busca daqueles que mais entendem de pão: os clientes do seu antigo emprego, que esperam pelo pão quentinho todas as manhãs. Sem nenhum termo em inglês, Sr. João fará duas perguntas:

  • Quantos dos meus pães você compraria todas as manhãs?
  • Considerando que eu mesmo faço o pão, sem comprar massa pronta, quanto você pagaria por quilograma?

Com seu caderno de anotações, o empreendedor fará uma lista de intenção de compra: “Maria: 1kg por R$5,00; Pedro: 2kg por R$6,50/kg”. Esse é o bookbuilding do Sr. João, com as devidas proporções, é claro! Qual o resultado?

Ele terá uma expectativa de negociação e encontrará o preço ideal de oferta com a seguinte lógica: quanto maior a demanda, mais próximo o preço fica do “teto”; quanto menor a demanda, mais próximo do “piso”.

Bookbuilding na prática

Na Bolsa de Valores, o trajeto é semelhante, porém, mais complexo. O exemplo do Sr. João nos ajuda a entender o básico sobre bookbuilding: o processo de busca pelo preço justo, que será acolhido pelo mercado.

Na prática do mercado de valores mobiliários, o bookbuilding pode ocorrer para colocações primárias ou secundárias de:

Além disso, é possível que ocorra pela internet, no conceito de e-Bookbuilding. A prática é que o coordenador da abertura de capital siga os seguintes passos:

  1. Apresenta publicamente a oferta e consulta o interesse de potenciais investidores;
  2. Determina um intervalo de preço (piso e teto) a partir da análise das características da empresa e do momento do mercado;
  3. Pesquisa a intenção de compra, por quantidade e preço, a partir de contato direto com investidores em potencial;
  4. Monta um livro de ofertas, com a definição do preço justo.

Essas informações integram o prospecto, documento que apresenta os termos da oferta, os números financeiros e operacionais da empresa e os fatores de risco da oferta.

Para compreender a qualidade das informações dispostas neste documento, você precisa ter clareza do conceito de bookbuilding. Pense que, se no processo de precificação do ativo foi utilizada essa técnica, já houve representação da intenção de compra e do valor inicial de mercado. Então, para avaliar a precificação, considere que:

  • Quanto maior a demanda, mais o preço se aproxima do “teto da oferta”; quanto menor a demanda, mais próximo do “piso da oferta”.
  • Em caso de a demanda superar a oferta, há rateio; ou seja, os investidores adquirem menos papéis que os desejados. E ninguém fica sem pão para o café da manhã!

Para ter acesso às melhores ferramentas e conteúdos sobre finanças e investimentos, acesse o blog do Mais Retorno.

Avalie esse texto e nos ajude a melhorar cada vez mais.

Nos ajude a melhorar o conteúdo desse texto! Envie um complemento ou correção por aqui para deixar esse conteúdo ainda melhor. Seu nome pode ser citado como revisor desse conteúdo com a sua permissão! ;)

Envie sua sugestão