O que é análise de risco?

Análise de risco é um processo que através do qual se faz uma avaliação em relação à probabilidade de ocorrer alguma eventualidade, seja no setor corporativo, governamental ou ambiental.

Consiste basicamente no estudo de imprevistos, incertezas, passíveis de acontecer durante uma determinada ação, como por exemplo, problemas de fluxo de caixa, variação do retorno esperado, assim como as probabilidades de sucesso ou não de projetos, de forma que gerem impacto financeiramente.

Na maioria das vezes, os analistas de risco procuram fazer um trabalho conjunto com outras áreas, a fim de evitar e minimizar problemas futuros.

Na verdade, se trata da probabilidade de algo dar errado e quais os efeitos negativos originados a partir disso.

O que faz um analista de risco?

Primeiramente, vai tentar identificar o que poderia dar errado. Geralmente, os eventos negativos possíveis de ocorrer serão considerados em relação a uma métrica de probabilidade, de forma a mensurar a possibilidade ou não da ocorrência deste evento negativo.

Em suma, através da análise de risco, será feita uma estimativa, avaliando o impacto caso algo aconteça.

Quais os tipos de análise de risco?

A análise de risco pode ser quantitativa ou qualitativa. No caso da quantitativa, um modelo de risco é elaborado a partir de simulações, atribuindo valores numéricos ao risco, ou seja, variáveis aleatórias serão incluídas nessa simulação.

Os gráficos obtidos permitem uma análise dos mais variados cenários, o que auxilia os gestores na tomada de decisões, de forma a lidar com os riscos.

O ideal é que todas as variáveis aplicadas durante essa simulação sejam as mais realistas possíveis, de forma que o resultado se assemelhe com a realidade.

Já a análise qualitativa de risco não realiza a identificação de riscos através de análises numéricas. Consiste numa definição por escrito das incertezas, imprevistos, uma avaliação do impacto caso riscos negativos aconteçam e assim, poder construir medidas para evitar tudo isso.

Como elaborar uma análise de risco?

Você vai precisar de obter o máximo de informações, como por exemplo:

  • Planos do projeto
  • Informações financeiras
  • Protocolos de segurança
  • Previsões de marketing

Por exemplo, ao fazer a análise de risco durante a confecção de um projeto, vai ajudar a antecipar possíveis problemas. E assim, você vai poder avaliar se é ou não viável.

Já em relação à segurança no trabalho, vai ser possível gerenciar riscos inerentes ao ambiente de trabalho, como defeitos em equipamentos, roubo, afastamento de funcionários ou até mesmo desastres naturais.

É importante detalhar e identificar quais os riscos mais relevantes e hoje, existem muitas ferramentas que auxiliam nesse processo, como a Análise SWOT, por exemplo.

Essa análise avalia desde as oportunidades até suas ameaças, considerando aspectos internos e externos.

Por que é importante fazer a análise de risco?

A maioria das empresas fazem análise de risco, pois precisam identificar aos riscos aos quais estão sujeitas, principalmente as empresas associadas ao mercado financeiro.

A avaliação deve ser feita de forma contínua e fazer parte do dia a dia da empresa, especialmente diante de um mercado tão incerto.

E a partir do momento em que é feita essa análise e identificados os riscos, vai auxiliar a orientar os gestores em relação a quais medidas adotar e é claro, vão estar mais preparados para fatos adversos e que saiam do seu controle.

Quando os riscos não são analisados ou mesmo mal gerenciados, há grandes chances de acarretar prejuízos financeiros, tornando as operações mais onerosas e consequentemente, gerando impacto negativo no retorno.

Vale ressaltar que apesar do foco das principais empresas ser na questão financeira, ela deve ser encarada como algo maior, devendo ser levados em consideração questões como momento da economia, aspectos operacionais e de sazonalidade.

Como é feita a análise de risco em investimentos?

Ao se fazer um investimento, além de avaliar qual sua rentabilidade, é essencial fazer a análise de risco.

Qualquer investimento, independentemente de qual seja, está submetido ao risco do mercado, como taxas de juros, inflação, câmbio, situação da economia e lucratividade das empresas.

E quanto maior o risco do investimento, maior a volatilidade.

Já o risco de liquidez está relacionado às condições de resgate, isto é, o prazo que o investimento é convertido em dinheiro vivo.

Por fim, o risco de crédito, o qual se refere à situação financeira da empresa. Vale ressaltar que alguns títulos emitidos por bancos têm a garantia e estão cobertos pelo Fundo Garantidor de Crédito.

No momento de verificar a análise de risco, estes três aspectos precisam ser levados em consideração.