Última modificação em 10 de dezembro de 2020

O que é All Risks?

All Risks é um tipo de cobertura de seguros que cobre, de forma automática, qualquer risco que o contrato não omita de forma explícita. Para ficar mais simples de entender, suponha que uma apólice de All Risks não exclua expressamente a cobertura de inundação. Se a casa do proprietário sofrer esses danos, então ele estará seguro.

A princípio, um contrato de seguro All Risks pode parecer confuso, pois, ao mesmo tempo em que cobre o segurado de todos os perigos, conta com uma lista de danos patrimoniais não cobertos. Isso porque, ao contrário de um contrato de risco nomeado, essas apólices não nomeiam os riscos cobertos, mas sim os que não são cobertos.

Mesmo com todas essas limitações, as empresas e indivíduos que quiserem cobertura para qualquer um dos eventos excluídos pelo All Risks pode tê-lo incluído no contrato. Tudo o que precisa fazer é pagar um valor adicional, conhecido como flutuador ou passageiro, para que o seguro faça a inclusão.

Como a cobertura All Risks funciona?

O que faz com que uma cobertura All Risks seja acionada é a perda física ou algum dano à propriedade. Quando ocorrido, o segurado precisa provar a ocorrência antes que o ônus da prova seja transferido para a seguradora — que, por sua vez, deverá provar que uma exclusão previamente descrita no contrato se aplica à cobertura.

Um exemplo bastante recorrente é quando uma empresa ou residência passa por uma queda de energia e registra uma reclamação alegando que ocorreu uma perda física por conta do sinistro. A seguradora, por sua vez, pode rejeitar a reclamação e ainda afirmar que houve apenas uma perda de receita por perda de uso do imóvel, o que não é o mesmo que uma perda física.

Por conta disso, a formulação de All Risks tende a ser interpretada como enganosa, já que todas as apólices de seguro contêm diversas exclusões. Para driblar essa interpretação dúbia, a maioria das seguradoras utilizam termos como “cobertura especial contra riscos” para descrever esse tipo de apólice.

Quais são as exclusões típicas em coberturas All Risks?

Cada seguradora pode optar por excluir ou incluir mais cobertura em suas apólices de All Risks ou ainda limitar as exclusões como um benefício com valor agregado. No geral, porém, existem alguns riscos mais comuns que são excluídos na maioria das coberturas. Entre eles, é possível citar:

Há ainda sinistros que ficam de fora da cobertura All Risks por chances remotas de acontecerem, como ataques terroristas. Porém, outros bastante comuns como danos graduais, desgaste ou defeitos ocultos ou latentes também ficam de fora. Cabe ao segurado ponderar quais desses sinistros têm mais chances de acontecerem na sua propriedade para pesquisar as chances de inclusão na apólice.

Quais são as considerações especiais para uma cobertura All Risks?

Como o All Risks oferece um tipo de cobertura muito mais abrangente que outros seguros e protege seus segurados do maior número de eventos de perda possível, seu preço costuma ser proporcionalmente mais caro que outras apólices. Geralmente, os custos desse serviço são medidos em relação à probabilidade de sinistro.

Uma das peculiaridades da cobertura All Risks, como foi brevemente citada anteriormente, é a possibilidade da nomeação de perigos na mesma apólice. Um exemplo é um segurado que pode ter uma apólice de seguros de propriedade com cobertura All Risks de um edifício e de riscos nomeados sobre uma propriedade particular.

É preciso ter atenção redobrada no momento da escolha de uma apólice de seguros, pois, não é só porque um seguro é denominado All Risks que ele, automaticamente, cobre todos os riscos — uma vez que as exclusões podem reduzir o nível de cobertura oferecido. Por esse motivo, é sempre bom procurar todas as exclusões em qualquer política potencial.

Termo do dia

Antidumping

O que é Antidumping? Antidumping é o conjunto de regulações e práticas que visam afastar (e combater) a prática de dumping. Juntamente com medidas compensatórias e salvaguardas,…