Open Nav Logo Mais Retorno

O que é VaR (Value at Risk)? Saiba como avaliar o risco dos seus investimentos

Por:
01/04/2019
O que é VaR (Value at Risk)? Saiba como avaliar o risco dos seus investimentos
5 (100%) 2 votos

O risco é algo presente no mundo das finanças. Quanto maior o retorno desejado, mais risco temos de correr. Isso é algo natural e uma relação intrínseca em finanças.

Dessa forma, mensurar o risco que estamos correndo me parece algo extremamente importante. Concorda?

Isso é algo que você deveria sempre fazer. As mesas de operações de bancos e fundos de investimento fazem isso diariamente.

Em qualquer operação, a área de risco do banco ou do fundo manda um e-mail dizendo os limites que o trader pode atuar.

Economistas e financistas adoram números, como você já pode ter notado.

Assim, desenvolvemos algumas formas para conseguirmos mensurar melhor o risco.

Uma dessas formas mais utilizadas por gestores de fundos e analistas de mercado é conhecida como VaR e é isso que verá aqui hoje.

Por isso, continue lendo para saber mais sobre:

O que é Value at Risk

Quais as limitações e críticas ao VaR

O que é Value at Risk – VaR

O que é Value At Risk

Basicamente, o Value at Risk (VaR) é um método para avaliarmos os riscos de uma operação.

Muitos gestores de fundos utilizam essa medida para saber até que ponto uma determinada carteira pode se desvalorizar diante de um cenário ruim.

Isso acaba sendo bastante útil, pois ajuda o gestor a formatar uma carteira mais ou menos arriscada e mais adequada para diferentes perfis de investidores.

Dessa forma, alguns fundos como os geridos pela Alaska Asset, conseguem ter versões mais arrojadas (como o Alaska BDR) ou mais conservadoras (como o Alaska Institucional) de forma que um público mais diverso pode se interessar por seus produtos.

Infelizmente o VaR é um tema relativamente avançado e técnico e por isso você precisará de um pouco mais de paciência e embasamento para poder aproveitar esse texto.

Vamos necessitar de mais um pouco de base estatística para compreender melhor o funcionamento do VaR. Por isso, antes vou explicar brevemente três conceitos utilizados para o seu cálculo:

  • Distribuição Normal: trata-se de uma distribuição dos resultados dos valores que uma variável assume. Ela é chamada de “normal” pois a maior parte dos valores observados está próximo da média dessa variável. Ela tem o seguinte aspecto:
  • Desvio Padrão: Trata-se de como (e quanto) uma determinada variável desvia de sua média. É uma medida de dispersão, portanto.
  • Intervalo de confiança: É uma medida que nos informa com qual probabilidade uma informação aleatória da variável irá cair no intervalo próximo à média. Os intervalos de confiança geralmente são de 90%, 95% e 99%.

Entendendo esses três conceitos. Vamos agora ao cálculo VaR.

O VaR é um cálculo da perda máxima que se pode ter. Imagine que a distribuição que mostrei seja a do retorno de alguma ação num período de 5 anos.

Ali existirão resultados muito grandes, de ganhos e perdas significativas.

Esses são os valores próximos da cauda da distribuição (nos extremos daquele gráfico que você viu acima).

A maior parte dos resultados, no entanto, estará próximo à média. Por isso a distribuição é maior na parte central do gráfico.

Assim, com o auxilio da amostra e distribuição dos retornos do ativo que você está analisando e seu desvio padrão, o VaR calcula qual a probabilidade de perda máxima que se pode ter investindo naquele ativo com um intervalo de confiança.

Imagine que o VaR calculado seja de 5% com um intervalo de confiança de 99%. Isso nos diz que a perda máxima que esse investimento pode sofrer é de 5%.

Mas claro que isso não é certo, por isso utilizamos um intervalo de confiança. Como ele é de 99%, isso quer dizer que em 100 casos, existe 1 chance de a perda ser maior do que a estimada (5%).

Quais as limitações e críticas ao VaR

Quais as limitações e críticas ao VAR

Você pôde notar que, por mais que o VaR seja um número e números sejam frios, existe um grau de incerteza nele.

É assim mesmo, nada é totalmente perfeito em finanças (se assim fosse, todos ganhariam, certo?). Assim, podemos elencar algumas imperfeições do VaR.

O renomado trader de opções e filosofo, Nassim Taleb, que ficou conhecido por escrever o Cisne Negro, Antifrágil, entre outros livros extremamente respeitados no mercado financeiro, é um dos mais proeminentes críticos do VaR.

De acordo com ele, essa medida é falha por pressupor que a curva normal representa o mercado, desconsiderando “eventos fora do normal”: os Cines Negros de Nassim.

Por isso, o VaR foi uma ferramenta de afeição de risco ruim durante a última crise financeira global, pois nela aconteceram eventos completamente “fora da curva”.

Outra crítica comum ao VaR nas mesas de operações é que ele não dá nenhuma indicação do tamanho da perda em caso de eventos fora do intervalo de confiança.

Além disso, o VaR não é cumulativo. Ou seja, a soma do VaR de todos ativos não é igual ao VaR da carteira global.

Conclusão

Somos naturalmente avessos ao risco. Queremos sempre ter controle sobre isso e criamos diversas medidas para prever qual risco estamos correndo ao fazer determinado investimento.

O Value at Risk (VaR) é justamente isso. Ele quantifica qual a perda máxima que um investimento pode resultar.

Para isso, ele recorre a diversos instrumentos estatísticos como distribuição normal, desvio padrão e intervalo de confiança.

Como a estatística não é perfeita e envolve incerteza sobre o cálculo, o VaR também é imperfeito e sofre algumas críticas.

Entretanto, essa continua sendo a medida mais aceita para tratar do manejo de risco entre as mesas de operações.

Sei que o tema é complexo e técnico, mas se ficou alguma dúvida ou deseja contribuir mais com o assunto, comente abaixo!

Compartilhe esse conteúdo com mais investidores que você deseja ajudar a conquistar Mais Retorno conhecendo a forma de mensuração de risco VaR.

Avalie esse texto e nos ajude a melhorar cada vez mais.

O que é VaR (Value at Risk)? Saiba como avaliar o risco dos seus investimentos
5 (100%) 2 votos

Leia também:

Sobre o autor

  • Vinicius Alves
  • Economista, atuou no departamento econômico de empresas de sell side no mercado financeiro. Já foi Top-5 de projeção de inflação de curto prazo do BC.

Deixe seu comentário aqui

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Share This