Apesar do boom imobiliário recente, nosso país, infelizmente, ainda possui um déficit habitacional elevado. Além disso, as fontes de financiamentos dessa modalidade ainda são escassas.

Para se ter ideia, o Brasil ainda tem apenas cerca de 10% do PIB em crédito imobiliário, contra 67% na Inglaterra, por exemplo.

Outro setor chave no país é o de agronegócio que representa uma parte importante da economia brasileira.

O Brasil já foi considerado o “celeiro do mundo”, pois exporta muitos produtos do setor primário. Somos líderes de exportação de produtos como café, suco de laranja e soja.

Por esses dois setores serem tão importantes para o país, eles têm diversos incentivos e isso se verifica também no mundo dos investimentos.

Já falei sobre o funcionamento do CRI e CRA em uma oportunidade recente, mas hoje abordarei outros dois investimentos ligados aos setores imobiliário e de agronegócio: LCI e LCA.

E se você quiser saber um pouco mais sobre este tema, de uma forma mais rápida, pode acessar a nossa série produzida no Youtube sobre Como Investir em LCI e LCA:

Por isso, continue lendo para saber mais sobre:

  1. O que é LCI e LCA
  2. Vantagens
  3. Desvantagens
  4. Riscos
  5. Como investir em LCI e LCA

O que é LCI e LCA

O que é LCI e LCA

Primeiramente, só para você entender, não estou falando dos dois títulos ao mesmo tempo por acaso, isso tem um motivo.

Tanto a letra de crédito imobiliário (LCI) quanto a letra de crédito do agronegócio (LCA) são títulos de renda fixa com características idênticas para o investidor final. O que muda entre elas é o destino final do dinheiro de quem aplica. Ou seja, pouco relevante para o investidor.

No caso das LCI, o destino dos recursos de quem aplica será o crédito imobiliário. O valor arrecadado pelas LCA, por outro lado, será o crédito ao agronegócio.

Esses títulos são emitidos por instituições bancárias.

Basicamente o investidor que aplica em LCI está fornecendo recursos para um banco e este, por sua vez, direciona esses recursos para o financiamento imobiliário e/ou construção e reforma.

O mesmo vale para LCA, com a diferença que o investidor que aplica nesse título irá, no final, fornecer recursos para o financiamento do agronegócio.

Dissemos no início que LCI e LCA são títulos de renda fixa e, portanto, irão pagar juros para o período da aplicação.

As LCI e LCA podem ser tanto pré-fixadas – juros acordados antes do investimento – como pós fixados – juros que irão depender de como se comportará um benchmark (índice de referência) escolhido.

Citei que as LCI e LCA possuem incentivos. Dessa forma, vamos entender melhor as benesses dessas aplicações.

Vantagens

Vantagens das LCI e LCA

O maior benefício que LCI e LCA têm é serem isentas de Imposto de Renda sobre ganhos.

Logo, tudo que você ganhar com esses títulos cairá limpinho em sua conta-corrente no vencimento deles, sem descontar nenhum imposto ou taxa adicional.

Comparativamente com outros investimentos em renda fixa, trata-se de uma vantagem grande.

Para entender melhor como isso funciona na prática, vou comparar com o título bancário mais conhecido no Brasil: o CDB.

Imagine uma aplicação de R$ 100.000 em LCI e uma de igual valor em CDB. Além disso, suponha que as taxas de juros das duas aplicações é a mesma, digamos 100% do CDI (ou 10% a.a. para simplificar o exemplo) e o período da aplicação do investimento seja de 2 anos.

Você pode pensar que dado que as taxas de juros são as mesmas, é indiferente investir no CDB ou na LCI. Ledo engano.

Ao final do período de dois anos, o valor de ganhos dos dois investimentos, de fato, será o mesmo, de R$ 121.000,00. Mas lembre-se que uma aplicação nesse período em um CDB sofrerá incidência de 15% de IR, enquanto para LCI não haverá tributação.

Dessa forma, o que de fato você colocará no bolo são os mesmos R$ 121.00,00 no caso da LCI, porém, R$ 117.850,00 no caso do CDB. A diferença de R$ 3.150,00 é o resultado da aplicação de 15% em cima de R$ 21.000,00 (o ganho).

Essa diferença, que já não é pequena, fica maior conforme o valor investido, o prazo do investimento e a taxa de retorno da aplicação aumenta.

É claro que quando os juros são diferentes, precisamos analisar com mais cuidado entre um CDB e uma LCI/LCA para saber qual é o mais vantajoso.

Sempre que precisar encontrar a opção que vale mais a pena e poder comparar os dois investimentos, basta seguir essa seguinte fórmula:

Fórmula LCI

Assim, por exemplo, o que é melhor: um CDB que te remunera 105% do CDI ou uma LCI que te remunera 93% do CDI? Aplicando a formula, teríamos:

Fórmula LCI e LCA

Esse resultado mostra que uma LCI que remunera 93% do CDI é equivalente a um CDB que remunere 120% do CDI para seis meses (período em que a incidência do IR é de 22,5% sobre a rentabilidade).

Como em nosso exemplo, a opção foi entre uma LCI que remunera 93% do CDI ou um CDB de 105% do CDI, a conclusão é que a LCI seria muito mais vantajosa (afinal ela seria equivalente a um CDB de 120% do CDI).

Além dessa vantagem comparativa extremamente relevante, as LCI e LCA contam com a segurança do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), que protege o investidor em até R$ 250.000,00 em caso de quebra da instituição bancária emissora desses títulos.

Essa segurança é exatamente igual a de um CDB ou até mesmo a caderneta de poupança possuem.

Se já está gostando desse texto, se inscreva abaixo para receber em primeira mão mais informações como essa (é grátis!):

Desvantagens

Desvantagens das LCI e LCA

Bem, como nada é de graça na vida, esses benefícios têm um preço.

Para evitar que esses investimentos se tornassem alternativas de curtíssimo prazo e que fugissem ao propósito de financiamento do setor imobiliário e do agronegócio, todas as LCIs e LCAs do mercado têm por lei uma carência mínima de 90 dias.

A excelente vantagem de isenções de imposto de renda é restrita para pessoas físicas, logo como empresas (PJ) e fundos não aproveitam essas vantagens, esses títulos acabam não sendo uma alternativa interessante para esses últimos.

Além disso, as LCI e LCA, em geral, têm uma necessidade de aplicação mínima mais alta se comparada com outros investimentos mais tradicionais como CDB e Tesouro Direto.

Outra desvantagem, essa mais para quem opera nos mercados acionários ou futuros, é que as LCI e LCA não servem como margem de garantia (exigência da bolsa como uma espécie de seguro de que as operações serão honradas).

Na esteira das desvantagens, vamos passar aos riscos que esses títulos estão sujeitos.

Riscos

Riscos das LCI e LCA

Dado que são investimentos em renda fixa, em geral, as pessoas tendem a achar que não existem riscos nessa aplicação. Você, leitor do Mais Retorno, já perdeu essa inocência.

Por mais baixo que seja, existe risco ao aplicar em LCI e LCA. Esse é o risco de crédito, que refere-se a inadimplência, ou seja, efetivado o rendimento, não recebe-lo porque a contraparte não tem recursos para honrar.

Esse risco é tão maior quanto menos sólida for a instituição que emitiu a LCI ou LCA. Ou seja, se o banco quebrar, teoricamente não haveria dinheiro para pagar o principal e os juros que o investidor tem direito.

Por sorte esse risco é mitigado pela existência do FGC, conforme indicado no tópico anterior. Mesmo assim, como o objetivo é que seu dinheiro rentabilize até o vencimento, nunca é legal ter que recorrer ao FGC por uma escolha malfeita.

Como se pode perceber os riscos são pequenos, mas nunca devem ser menosprezados.

Por isso, procure investir apenas até o limite do FGC em instituições de pequeno e médio porte, deixando grandes aplicações para instituições com boas notas de rating, sempre diversificando seus investimentos.

Como investir em LCI e LCA

Como investir em LCI e LCA

Investir em LCI e LCA é simples e segue o mesmo padrão de outros investimentos. Você precisa escolher uma corretora e abrir conta nela. Ao fazer isso, você terá acesso a uma gama de opções de LCI ou LCA emitidas por diferentes bancos. Cada uma diferente em prazo, aplicação mínima e taxa de juros.

Via de regra, quanto menor for o banco emissor dos títulos, maior será o juro que será pago (lembre-se da relação risco x retorno: maior o risco, maior o retorno). Claramente, um banco menor tem mais possibilidade (mesmo que muito baixa ainda) de quebrar do que um banco grande.

Leve em conta seus objetivos e necessidades ao escolher a LCI ideal.

Outra forma de investir em LCI e LCA é comprar esses títulos diretamente do banco no qual você mantém conta, bastando apenas falar com o seu gerente.

Entretanto, esse não é o caminho mais prático uma vez que você fica restrito a uma única opção e os bancos, em geral, não oferecem os melhores rendimentos para quem mantém conta.

Conclusão

O que chama mais atenção no investimento em LCI e LCA é a isenção de IR, motivo pelo qual se popularizaram.

Destaco também que se trata de um investimento com elevada segurança, tornando-se excelente opção para investidores mais conservadores.

Por mais que se trate de um benefício grande, sempre analise de forma criteriosa todas as variáveis: rendimento, aplicação mínima, prazo de aplicação.

Leve sempre em conta seus objetivos e necessidades, bem como seu Perfil de Risco.

E se ficou com alguma dúvida adicional ou quer contribuir mais com o assunto, comente abaixo! Caso queira também aprofundar ainda mais o conhecimento neste tipo de investimento ou de tantos outros, nosso E-book pode ser a melhor saída para você!

Não perca tempo e garanta já o seu exemplar, é totalmente gratuito: Investidor Especialista.

Compartilhe esse conteúdo com mais investidores que você deseja ajudar a conquistar Mais Retorno investindo de forma inteligente em LCI e LCA:

Avalie esse texto e nos ajude a melhorar cada vez mais:

O que é LCI e LCA – Vale ou não a pena investir?
4.8 (96.47%) 17 votos