Open Nav Logo Mais Retorno

O que é Equity Risk Premium ou Prêmio de Risco?

Por:
19/03/2019

O risco é algo intrínseco ao mundo dos investimentos. Você já viu aqui que existem diversos tipos de risco.

Sempre gostamos de falar da relação de risco x retorno aqui, em que, quanto maior o retorno de um investimento, maior tende a ser seu risco.

Dessa relação temos uma forma de quantificar aproximadamente o risco aceitável para determinados rendimentos, em especial de renda variável.

O chamado Prêmio de Risco é o que iremos nos aprofundar no texto de hoje.

Por isso, continue lendo para saber mais sobre:

O que é prêmio de risco

O que é Prêmio de Risco

Mesmo que o risco esteja sempre presente no mundo dos investimentos, temos também o que chamamos de ativo risk-free, ou seja, uma aplicação que não possui risco (ou ele tende a zero).

Esse ativo livre de risco tende a ser associado aos títulos públicos – pressupõe-se que o país não dará calote e, assim, esses ativos não possuem risco. Afinal, caso haja possibilidade de calote, todos os outros ativos seriam prejudicados e não haveria nenhum que fosse risk-free.

Logo, no Brasil, podemos tomar a taxa Selic como o retorno livre de risco.

É natural sempre buscar ativos de maior retorno. Dessa forma, ao aplicar em investimentos de renda variável, o investidor está buscando um retorno além do que as aplicações livres de risco provêm.

É natural que seja assim, pois o investimento em renda variável envolve uma incerteza (logo, um risco) muito maior. Por conta disso, pede-se um retorno mais elevado como forma de compensar o risco de tal investimento.

O professor Aswath Damodaran, lenda das finanças e que já pudemos ver aqui, diz que “o retorno esperado de qualquer investimento pode ser descrito como a soma de uma taxa livre de risco e um prêmio para compensar esse risco”.

Sabe-se, portanto, que existe um prêmio de risco que o investimento em ações tem de pagar. A questão agora é quantificar isso.


Como calcular o prêmio de risco?

Como calcular o Prêmio de Risco

A literatura sobre esse tema é bem extensa de forma que não existe apenas uma maneira “correta” de se calcular o prêmio de risco.

A forma mais simples, e que já atende ao nosso objetivo aqui, é inferida pela metodologia básica de médias (sempre elas).

Basicamente, você deve calcular o retorno médio do investimento em renda variável em um período e o comparar com o quanto a taxa livre de risco pagou nesse mesmo período.

A partir desses dados, basta subtrair o retorno da renda variável pelo retorno do ativo livre de risco. Esse valor será, à grosso modo, o equity risk premium, ou o prêmio de risco.

De modo geral, o prêmio de risco pode ser definido com:

Prêmio de Risco = Média do Retorno da Renda Variável – Média de Retorno da Taxa Livre de Risco.

Evidentemente o valor dos prêmios de risco variam de uma economia para outra. Isso é natural e reflete também o grau de desenvolvimento e peculiaridades de cada economia.

Para os EUA, por exemplo, o prêmio de risco calculado por meio do rendimento das chamadas Treasuries (títulos do tesouro) e o S&P-500 (um dos índices de ações dos EUA) é de cerca de 4,0% a 6,0% para o período de 1960 a 2008 (é claro, essa métrica também varia de tempos em tempos).

Uma vez que o prêmio de risco foi definido, vale a pena agora entender como ele se aplica no caso brasileiro.

Prêmio de Risco no Brasil

Prêmio de Risco no Brasil

Para o Brasil, podemos tomar o calcular o prêmio de risco utilizando o Ibovespa como métrica para a renda variável e a taxa Selic como indicador do retorno livre de risco.

Colocando essas informações em uma fórmula, esse cálculo poderia ser generalizado no Brasil como:

Prêmio de Risco = Média do Retorno do Ibovespa – Média de Retorno da Taxa Selic

Como havia dito que o prêmio de risco varia com o tempo, vamos analisar dois períodos distintos.

De 1994 a 2009, os dados indicam que não houve prêmio de risco no mercado brasileiro.

Enquanto o Ibovespa rendeu em torno de 18,6% a.a., a Selic pagou 22,6% a.a. no período. Isso daria um prêmio de risco negativo. Ou seja, inexistência de prêmio de risco.

Quando iniciamos a base em 1999, por outro lado, já começa a fazer sentido o cálculo do prêmio de risco. Nesse período, o Ibovespa rendeu 21% a.a., enquanto a Selic média foi de 16,5% a.a. Isso daria um prêmio de cerca de 4,5% a.a.

Isso explica porque o Brasil teve um mercado de ações tão irrelevante por tanto tempo e mesmo hoje, batendo quase 1 milhão de investidores, isso ainda representa menos de 0,5% do total da nossa população.

De fato, o Brasil economicamente viável só foi observado após o plano real em 1994, que estabilizou a inflação. Isso foi possível a um custo grande com taxas de juros elevadas.

É justamente essas taxas elevadas que fazem com que o prêmio de risco seja negativo. Assim, não fazia sentido investir em renda variável se eu consigo um retorno maior sem risco algum.

Conclui-se que economias com taxas de juros extremamente altas inviabilizam o investimento em ações. E isso é bem ruim para qualquer economia.

O investimento em ações traz dinamismo para a economia real através do financiamento pelo mercado de capitais, o que gera emprego, renda e poder de consumo para as famílias.

É por isso que qualquer plano de crescimento tem de passar por um plano de estabilização para posterior decréscimo das taxas de juros. Só assim o mercado de renda variável se torna viável de forma sustentável.

Vale ressaltar ainda que alguns outros elementos afetam o prêmio de risco como a liquidez e a exposição ao que Damodaran define como “risco de catástrofe”. Ou seja, quando se investe em ações, o investidor sempre estará exposto à possibilidade de eventos que aparecem com menor frequência, como crises, mas que podem causar grandes prejuízos.

O prêmio de risco deve levar isso em conta para que o investimento em renda variável seja viável em um país.

Conclusão

Existem investimentos livres de risco como títulos públicos, nos quais é possível investir sem medo de não conseguir a rentabilidade acordada.

Logo, os outros investimentos presentes no leque de opções do mercado financeiro, em especial as ações, têm de pagar um valor além do retorno conseguido no investimento livre de risco. Esse rendimento a mais é o que chamamos de prêmio de risco.

Isso diz muito sobre a economia e o perfil dos investidores de um país.

Inclusive se você quiser descobrir qual é o seu perfil de investidor, temos um teste exclusivo no nosso site, clique aqui para acessar.

De qualquer forma, o prêmio de risco é uma métrica que devemos levar em conta ao investir em ações. Devemos sempre ter em mente que esse tipo de investimento envolve uma incerteza maior e, portanto, temos de ser compensados por isso.

O que achou desse texto? Se deseja contribuir mais com o assunto, comente abaixo!

Compartilhe esse conteúdo com mais investidores que você deseja ajudar a conquistar Mais Retorno conhecendo a métrica do prêmio de risco.

Avalie esse texto e nos ajude a melhorar cada vez mais.

Leia também:

Sobre o autor

  • Vinicius Alves
  • Economista, atuou no departamento econômico de empresas de sell side no mercado financeiro. Já foi Top-5 de projeção de inflação de curto prazo do BC.

Deixe seu comentário aqui

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *