Cada vez mais pessoas têm acesso ao mercado de capitais – o que é ótimo, pois ainda há muito espaço para crescer.

Nesse sentido, os reguladores, com objetivo de manter o bom funcionamento dos mercados, por vezes criam algumas regras específicas para se investir.

Você já deve ter se deparado com situações de que um determinado investimento seja exclusivo para Investidor Qualificado. Esse é um dos conceitos criado pelos reguladores.

Mas o investidor qualificado é aquele faz bons investimentos? Não necessariamente e não apenas isso.

Então, o que é investidor qualificado? E Investidor Profissional? Qual diferença entre eles? Que regras eles estão submetidos? Quais vantagens e desvantagens se têm ao se tornar um investidor qualificado? Como se tornar um investidor qualificado?

Este post vai ser dedicado a esses perfis de investidores, por isso, continue lendo para saber mais sobre:

  1. O que é investidor Qualificado
  2. O que é Investidor Profissional
  3. Vantagens e Desvantagens de ser um Investidor Qualificado
  4. Como se tornar um Investidor Qualificado

O que é Investidor Qualificado

O que é investidor qualificado

Bem, vamos começar pelo perfil que mais aparece ao se fazer um investimento, o Investidor Qualificado.

Esse perfil de investidor foi criado para distinguir as pessoas – físicas ou jurídicas – que possuem uma quantia elevada em aplicações financeiras e um grande conhecimento sobre o mercado financeiro em geral, bem como os riscos implicados nele.

Em outras palavras, para ser um investidor comum basta aplicar qualquer valor em ativos financeiros em geral. Ou seja, uma pessoa que possui investimentos na caderneta de poupança (espero que você não use apenas ela) já é um investidor.

Investidores qualificados, por outro lado, são distinguidos por terem elevados recursos investidos e terem um conhecimento técnico alto, o que os dá condições de acessarem investimentos mais complexos e avançados.

A CVM caracteriza um investidor qualificado como aquele que tem mais de R$ 1 milhão aplicados em quaisquer investimentos e que, além disso, ateste por escrito que tem essa condição.

O objetivo da CVM é separar esse grupo de pessoas dos investidores comuns, pois naturalmente alguém que tenha R$ 1 milhão investido terá maior capacidade de absorver adversidades de investimentos mais complexos.

Muitas vezes investidores comuns podem ser seduzidos por aplicações de alta rentabilidade, sem conhecerem de fato os riscos desses investimentos.

Assim, quando a CVM classifica os investidores e torna algumas aplicações restritas a alguns deles, diminui o risco de que um investidor pequeno e pouco informado aplique em algo fora de seu perfil.

Além das pessoas físicas e jurídicas com mais de R$ 1 milhão em aplicações e que atestam conhecimento, são também considerados investidores qualificados:

  • As pessoas físicas que tenham certificados de qualificação técnica;
  • Agentes autônomos, administradores de carteira, analistas e consultores de valores mobiliários com alguma certificação aprovada pela CVM;
  • Clubes de investimento com gestores que sejam investidores qualificados.

Essa categoria de investidores tem acesso a alguns investimentos exclusivos e que veremos com mais detalhes no tópico de vantagens e riscos mais abaixo.

Antes disso, no entanto, é importante falar sobre um outro tipo de investidor ainda mais raro.

O que é Investidor Profissional

O que é investidor profissional

Já vimos que a segmentação de investidores qualificados está relacionada ao montante de recursos aplicados e que por consequência esses investidores possuem mais conhecimento técnico do mercado.

O mesmo vale para a categoria de investidor profissional, porém com exigência de aplicação ainda maior.

Para ser considerado um investidor profissional é necessário ter em aplicações financeiras valores superiores a R$ 10 milhões.

Isso mesmo! Só em aplicações financeiras esse investidor precisa tem de ter algo equivalente a 10 apartamentos de alto padrão no valor de R$ 1 milhão.

Além disso, assim como para os investidores qualificados, é preciso assinar um termo certificando-se como tal categoria de investidor.

São considerados também investidores profissionais:

  • Instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Bacen;
  • Companhias seguradoras e sociedades de capitalização;
  • Entidades abertas e fechadas de previdência complementar;
  • Fundos de investimento;
  • Clubes de investimento, desde que tenham a carteira gerida por administrador de carteira de valores mobiliários autorizado pela CVM;
  • Agentes autônomos de investimento, em relação a seus recursos próprios;
  • Administradores de carteira, em relação a seus recursos próprios;
  • Analistas e consultores de valores mobiliários autorizados pela CVM, em relação a seus recursos próprios;
  • Investidores não residentes.

Essa é a classe mais alta de investidor, logo tem acesso a quaisquer investimentos disponíveis no mercado financeiro.

Vantagens e Desvantagens de ser um Investidor Qualificado

Vantagens e desvantagens do investidor qualificado

Bem, agora que já distinguimos esses investidores, você pode se perguntar na prática o que se tem diferente, além do dinheiro aplicado maior.

Naturalmente, por esse investidor ter um conhecimento mais profundo de como funciona o mercado, ele tem acesso a aplicações mais flexíveis e com condições melhores (seja de rentabilidade, liquidez ou de classificação de crédito).

Ter acesso a investimentos com melhores condições, não necessariamente implica em dizer que esse investidor está sujeito a apenas aplicações de alto risco (apesar de que na maioria das vezes, é isso).

A apresentação comum dos riscos do investimento, bem como as regras de aplicação, são dispensadas aos investidores qualificados pois julga-se que estes já conhecem os investimentos e, portanto, dispensam introduções.

Dito isto, investidores qualificados têm acesso a um leque de opções de investimentos maiores do que investidores comuns. Além disso, exatamente por conhecerem maiores riscos, diversas vezes têm taxas de administração e/ou performance reduzidas.

Não existe um grande ônus em ser um investidor qualificado. A grande questão é que por ter mais opções, está sujeito a maiores riscos. Mas ainda assim é apenas uma opção de investimento.

É claro que ter uma gama maior disponível para escolha é melhor do que uma gama menor.

Por isso, agora explicarei como se tornar um investidor qualificado.

Como se tornar um Investidor Qualificado

Como se tornar um investidor qualificado

Como vimos, as vantagens em ser um investidor qualificado superam as desvantagens.

Afinal, com mais escolhas nas mesas, podemos tomar decisões melhores. Além disso, você verá que para se tornar um investidor qualificado, precisará ter um conhecimento maior do mercado.

E conhecimento nunca é demais!

Como você viu anteriormente, o primeiro modo de se tornar um investidor qualificado é mais direto. Basta ter R$ 1 milhão em aplicações e solicitar em sua corretora ou banco o termo de investidor qualificado.

O investidor então deverá declarar nesse termo que tem o montante necessário aplicado e conhecimento do mercado.

Mesmo que seja necessário “afirmar o conhecimento”, nenhum teste ou prova é aplicado para esse tipo de investidor. Basta dizer que tem a capacitação para isso e daí em diante fica por sua própria conta e risco.

Caso você não tenha R$ 1 milhão em investimentos (algo bem difícil, na verdade) e deseja se tornar um investidor qualificado, então deverá passar por testes de conhecimento para poder entrar nessa categoria.

Os exames, em geral, exigem bastante qualificação para garantir que alguém que não tenha um conhecimento suficiente se torne investidor qualificado e tenha acessos aos benefícios e responsabilidades que essa designação implica.

As três provas que você pode fazer para se tornar um investidor qualificado são:

  • Agente Autônomo de Investimentos da Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários, Câmbio e Mercadorias (ANCORD);
  • Analista de Valores Mobiliários CNPI – Programa de Certificação Nacional (APIMEC)
  • Módulos I e II do programa de Certificação de Gestores da ANBIMA (CGA)

Não é necessário ser aprovado nas três. Ao ser aprovado em alguma dessas provas, você já será considerado um investidor qualificado.

Para investidor profissional, a exigência é em relação ao capital investido, ou seja, os R$ 10 milhões.

Conclusão

A caracterização de investidor qualificado diferencia uma pessoa com conhecimento de outro grupo menor e assim ajuda a direcionar melhor os investimentos.

Os investidores qualificados têm acesso a uma gama maior de produtos financeiros e algumas vantagens como taxas menores.

Vimos ainda que não é necessário possuir R$ 1 milhão em investimentos para se tornar um investidor qualificado, pois existem outras formas de entrar para essa categoria.

Se tiver mais alguma dúvida adicional ou quiser contribuir mais com o assunto, comente abaixo!

Compartilhe esse conteúdo com mais investidores que você deseja ajudar a conquistar Mais Retorno e desejam saber mais sobre o que é um investidor qualificado:

Avalie esse texto e nos ajude a melhorar cada vez mais:

Investidor Qualificado ou Profissional: O que é e quais diferenças
5 (100%) 15 votos