Open Nav Logo Mais Retorno

Paridade do Poder de Compra (PPC)

O que é a paridade do poder de compra (PPC)?

A Paridade do Poder de Compra (PPC) é um indicador utilizado para comparar as diferentes moedas ao redor do mundo, de modo a medir quanto cada uma delas verdadeiramente vale a partir do seu objeto-fim: a compra.

Ou seja, o que o PPC faz é utilizar o poder de compra de uma moeda em comparação com a outra. Em geral ela é, de forma convencionada, comparada com o dólar e pode valer mais ou menos do que ele.

Com isso, o que promete-se é tornar as análises cambiais mais precisas. Isso porque, para entender a relevância de uma moeda não basta cotá-las e dizer que valem x ou y dólares. É necessário, antes, entender se o que se compra com esse mesmo valor em um país se compra em outro. Do contrário, pode-se ter até a ideia de equilíbrio, mas ela estará equivocada.

Contudo, como poucas coisas são alvo de consenso nessa área, há ainda economistas que discordam do uso do PPC. Segundo eles, a disparidade na flutuação dos preços em cada setor, nos padrões de compra e no modelo de produção de bens e serviços são suficientes para tornar essa uniformidade trazida pelo método, ineficaz.


Como funciona a paridade no poder de compra (PPC)?

Ao pensar em exemplos para ilustrar o PPC, muito pensamos em abordar as viagens internacionais e o “peso” do dólar em cada lugar.

Mas acredite: não é preciso ter botado nenhum pé sequer fora do Brasil para entender como a discrepância no poder de compra das moedas.

Se você já viajou para alguma cidade mais distante do seu local de residência (melhor ainda se foi para outro Estado), deve ter notado o quanto o preço das coisas pode variar.

Por exemplo, se em Pernambuco pode-se comprar um café expresso e um pão na chapa com 5 reais, em São Paulo esse valor mal compra o café coado.

Mas espere aí: são os mesmos 5 reais! Se nota ainda é a mesma, por que então elas não compram a mesma quantidade de um produto?

Isso acontece porque, a partir de uma série de fatores como os custos de produção e a lei da oferta e da procura, o poder de compra varia de uma região para outra.

E se já é difícil uniformizar tudo isso considerando uma única moeda (como fizemos como o real), imagine como não é para comparar as moedas entre si.

A Paridade do Poder de Compra surge justamente como uma tentativa de solucionar a questão.

Enquanto os outros métodos indicam quanto uma moeda vale em dólar (“hoje o euro está valendo 1,20 dólar…”), o PPC se dedica a pesar cada uma delas de acordo com o que permitem comprar. Como veremos a seguir, isso faz toda a diferença.

Ah, falamos em cotação aqui porque é a forma principal de se medir o PPC. No entanto, também existem institutos que utilizam como objeto de comparação, para esse fim, o Produto Interno Bruto (PIB) e a renda per capita da população.

Como a paridade no poder de compra (PPC) é calculada?

Para calcular a Paridade no Poder de Compra, utiliza-se a seguinte fórmula:

PPC = e (P¹/P²)

Onde e é a taxa de câmbio nominal, P¹ é o preço dos produtos no primeiro país (escolhidos através de uma cesta de produtos padrão) e P² é o preço dos produtos no segundo país.

Como já vimos, os preços são em geral todos cotados em dólar.

Como interpretar o resultado?

Vamos supor que o único item usado nessa cesta tenha sido o açúcar.

Na pesquisa, descobriu-se que para se comprar 1kg de açúcar no Estados Unidos eram necessários (hipotéticos) 1 dólar. Já para levar o mesmo produto no Brasil, eram necessários 3 reais.

Considerando-se a cotação do dólar a 3 reais, teríamos:

PPC = 3 . (1/3)

PPC = 1

Assim sendo, o poder de compra dos dois países é equiparado. Caso o resultado fosse negativo, o do Brasil seria maior. Do contrário, os estadunidenses teriam superioridade nesse quesito, sendo considerados mais “ricos”.

Avalie esse texto e nos ajude a melhorar cada vez mais.

Nos ajude a melhorar o conteúdo desse texto! Envie um complemento ou correção por aqui para deixar esse conteúdo ainda melhor. Seu nome pode ser citado como revisor desse conteúdo com a sua permissão! ;)

Envie sua sugestão