O que é Moeda em Poder do Público

Moeda em Poder do Público, ou Papel Moeda em Poder do Público (PMPP) é, como o próprio nome diz, o dinheiro que está circulando nas mãos das pessoas; as notas e moedas que a população em geral guarda na carteira, no cofrinho, embaixo do colchão, ou usa para comprar bens e serviços pagando em dinheiro.

Segundo o Banco Central do Brasil, no 4º trimestre de 2018, havia R$ 215,2 bilhões em moeda em poder do público.

Descomplicando a Bolsa de Valores

Oferta de moeda, Agregados monetários e Moeda em Poder do Público

 

Oferta monetária, ou meios de pagamento, é o estoque de moeda disponível para uso da coletividade, não do setor bancário.

A oferta monetária pode ser medida de seis formas, conhecidas como agregados monetários: M0, M1, M2, M3, M4 e M5.

A M0 é apenas a base monetária restrita, que consiste no total de papel moeda emitido pelo Banco Central. Chamamos de emissão primária de moeda, já que os bancos são capazes de ampliar essa base.

A M1 é o PMPP mais os depósitos à vista em bancos comerciais. Esse agregado inclui, portanto, moeda que não rende juros e tem liquidez imediata.

A M2 inclui, além da M1, também depósitos a prazo. A M3 inclui, além da M2, também depósitos de poupança. A M4 inclui, além da M3, também títulos privados. E a M5 inclui, além da M4, também os limites de crédito dos cartões de crédito.

Porque a Moeda em Poder do Público é importante

A moeda em poder do público é um dos elementos que constituem a base monetária de um país, isto é, a quantidade de moeda disponível na economia.

Base monetária é o total de papel-moeda emitido pelo Bacen. Esse conceito abrange apenas a moeda disponível para uso da população, isto é, a parte da oferta monetária que tem maior liquidez.

Conhecer a base monetária é essencial, já que aumentar ou limitar essa base é um dos instrumentos de que o governo dispõe para produzir impactos diretos na economia do país.

Por exemplo, contrair a base monetária pode estabilizar os preços e, assim, colaborar para manter a inflação sob controle. Por outro lado, expandir a base monetária é uma forma de incentivar o consumo e o crescimento da economia.

Como é calculada a Moeda em Poder do Público

A moeda em poder do público é calculada considerando a moeda em circulação e as reservas bancárias obrigatórias, isto é, o dinheiro que precisa ser mantido no caixa dos bancos comerciais.

A moeda em circulação, por sua vez, corresponde ao total de papel-moeda emitido menos o dinheiro que está no caixa do Banco Central.

Portanto, a fórmula para calcular a moeda em poder do público seria:

PMPP = (papel-moeda emitido - moeda no caixa do Bacen) - reservas bancárias

Entendendo a Moeda em Poder do Público

Nem todo dinheiro que é emitido pelo Banco Central é igual. A moeda em poder do público, especificamente, não rende juros. Por isso, os agentes econômicos têm uma perda por não colocar esse dinheiro no banco.

Esse dinheiro também não ajuda a expandir a base monetária da economia. Quando um valor é depositado no banco, uma parte tem que ser retida em reservas obrigatórias, mas outra parte o banco pode usar em empréstimos. Toda vez que o banco passa o dinheiro adiante, ele aumenta a base monetária.

Por exemplo, se você depositar R$ 1.000,00, e supondo que a reserva obrigatória seja de 10%, o banco precisa reter R$ 100,00. Os outros R$ 900,00 podem ser emprestados a outra pessoa. Assim, na economia, antes existia R$ 1.000,00 e, agora, existe R$ 1.900,00.

Afinal, os seus R$ 1.000,00 não sumiram. Você pode ir ao banco e sacar a qualquer momento. É por isso que as reservas obrigatórias existem; para que o banco não vá à falência quando um cliente aparecer para retirar dinheiro que foi emprestado para outro.

É claro que esse sistema só funciona porque existe uma expectativa de que os clientes não apareçam todos para sacar seus fundos ao mesmo tempo.

Como Investir nos Melhores Fundos

Termo do dia

Backtest

O que é Backtest? Também chamado de backtesting, o backtest é um tipo de teste que se faz usando dados históricos relevantes, a fim de prever…