Open Nav Logo Mais Retorno

Montante

O que é Montante?

O Montante, também conhecido como Valor Acumulado, é um dos conceitos básicos da matemática financeira. Dedica-se a estudar e controlar a variação sofrida por uma quantia investida ao longo do tempo.

Em outras palavras, é através deste cálculo que contabilizamos os ganhos (retornos de investimento) de uma pessoa física ou jurídica e os juros (simples ou composto) produzidos sobre essa quantia.

O montante é importante pois permite ter melhor planejamento financeiro (trabalhando com relatórios, históricos e, então, previsões) para evitar o pagamento de juro abusivo. Para isso, precisamos saber como é desenvolvido seu cálculo.


Como capital e juros se relacionam com o montante?

Para calcular o montante é fundamental compreender os demais elementos que compõem sua fórmula, sendo eles o capital e os juros.

Nesse contexto, capital é o nome que damos para todo o valor aplicado sobre algo, seja um investimento (capital produtivo) ou o valor total em uma conta bancária, por exemplo (capital bancário).

Os juros, por sua vez, é um percentual “multiplicador” do valor do capital em questão, que se converte em remuneração.

Ao todo, existem dois tipos de juros: os juros simples e os juros compostos.

Os juros simples são um tipo de juros que se aplica linearmente sobre o investimento. Ou seja, existe um percentual pré-definido que será cobrado/ganhado dentro de um período e que se aplica apenas sobre o capital inicialmente investido.

Esse tipo de juros é aplicado, por exemplo, em empréstimos. Vale ressaltar que ele deve ser de conhecimento de ambas as partes envolvidas na aplicação desde o início do processo.

Veja como é feito o seu cálculo:

  • Juros simples = Capital x taxa de juros x tempo de aplicação
  • Juros simples = 2000 x 0,10 x 2
  • Juros simples = 400.

No exemplo consideramos: um empréstimo de 2 mil reais, 10% de juros ao ano e 2 anos de empréstimo, sendo então R$400,00 o valor final do juros.

O Juro composto, por sua vez, é conhecido também como o famoso "juros sobre juros" e bastante aplicado por instituições financeiras, já que gera maiores rendimento.

Ele se mantém em crescimento exponencial, sempre adicionando um percentual sobre o valor do capital inicialmente investido e sobre os juros acumulados conforme o passar do tempo.

Um exemplo bastante comum de sua presença é nas faturas de cartões de crédito. Quando são deixadas em atraso, uma taxa de X% ao dia é adicionada ao valor acumulado da dívida.

Os juros compostos são o tipo de juros calculado no montante e você verá sua fórmula no tópico a seguir.

Como calcular o montante?

Para calcular o Montante, que leva em consideração os juros sobre juros, você deve considerar a seguinte fórmula:

M = C (1+ i)^n

Onde:

  • M é o montante
  • C é o Capital Inicial
  • i é a taxa de juros (em valor decimal)
  • n é o número de períodos que o capital ficou aplicado

Para entender melhor a aplicação, veja os dois exemplos que preparamos:

Exemplo 1

Se você possui uma pendência no valor de 2 mil reais, com uma taxa de juros de 10% por semana, em um mês você terá a seguinte fórmula:

M = 2.000.(1+ 0,10)^4

M = 2.000.(1,46)

M = 2.928,20

Logo, o total em aberto corresponde a um montante de R$2.929,20, sendo R$ 929,20 o total pago em juros.

Exemplo 2

Você possui uma despesa mensal de R$60 com a conta de sua linha telefônica. Cada dia de atraso tem o total de 3% de juros. Uma semana depois da data de vencimento, o montante será de:

M = 60.(1+0,03)^7

M = 60.(1,23)

M = 73,79

Logo, o total em aberto corresponde a um montante de R$73,79, sendo R$ 13,79 o total pago em juros.

Avalie esse texto e nos ajude a melhorar cada vez mais.

Nos ajude a melhorar o conteúdo desse texto! Envie um complemento ou correção por aqui para deixar esse conteúdo ainda melhor. Seu nome pode ser citado como revisor desse conteúdo com a sua permissão! ;)

Envie sua sugestão


Conheça também os termos relacionados