Open Nav Logo Mais Retorno

Heurística

O que significa heurística?

Derivada da palavra grega “heuristiké”, a heurística é a capacidade de descobrir e inventar.

Assim, representa a forma como o ser humano simplifica o entendimento de questões complexas, seja porque precisa decidir a partir de informações incompletas ou porque se encontra em situações de incerteza.

Chamado também de “atalho mental”, ele ocorre de forma inconsciente e intuitiva, baseando-se em elementos como a experiência, o modo de pensar, a criatividade e a imaginação.

Longe de ser uma solução ideal, permite se alcançar um objetivo imediato, seja por meio de uma regra geral ou mesmo do bom senso.

Se você quiser saber ainda mais sobre esse tema, temos um vídeo exclusivo no nosso canal. Clique aqui para acessar.


Qual a importância da heurística?

Os psicólogos Amos Tversky e Daniel Kahneman tornaram a heurística mais conhecida nas décadas de 70 e 80. Entretanto, quem começou a pesquisar o assunto foi o economista e vencedor do prêmio Nobel de Economia de 1978, Herbert Simon.

Ele tentava entender porque o ser humano chegava a uma solução boa o suficiente ao invés de buscar a melhor solução. Isso faz cair por terra o conceito de homo economicus, ou a pessoa que sempre decide pelo que lhe oferece maior benefício econômico.

Quais os principais tipos de heurística?

  • Reconhecimento: uso da memória para o reconhecimento de fatos e situações. Assim, o ser humano decide com base no que conhece;
  • Take the best: a decisão é tomada considerando um único motivo (one reason);
  • Tallying ou trade-off: todas as alternativas possuem o mesmo peso. Na Tallying, por sua vez, a diferenciação ocorre pela alternativa que apresentar o maior número de pistas que a indicam como sendo a melhor escolha;
  • Julgamento: decisão tomada em função do contexto dado (enquadramento);
  • Afeto: as crenças e simpatias definem as suas escolhas, sendo que essas afetam a capacidade de julgamento;
  • Disponibilidade: a decisão é tomada com base na facilidade que alguém possui de se lembrar de um exemplo concreto, achando que ele se repetirá no futuro;
  • Representatividade: quando do uso da intuição, chega-se a uma decisão equivocada;
  • Avaliabilidade: diante de uma determinada situação, uma decisão é tomada. Considera os elementos conjuntamente, o que traz um resultado diferente do que se cada elemento fosse selecionado individualmente.

Quais são os principais atalhos mentais de um investidor?

No campo da psicologia, a heurística inclui regras simples para explicar como as pessoas decidem, julgam e resolvem problemas complexos. Apesar de funcionar para boa parte dos casos, leva à repetição de erros.

Entre os vieses comportamentais (atalhos mentais) encontrados nos investidores estão:

  • O “Efeito Manada”: as “bolhas” de ativos são alimentadas porque as pessoas se sentem mais confortáveis quando agem em grupo;
  • O hábito: o ser humano não gosta de mudanças e prefere as coisas como elas estão;
  • A confiança excessiva: o ser humano acredita que basta formular um plano para que tudo ocorra conforme o previsto;
  • A confirmação: quando o ser humano só considera as informações que validam o seu pensamento, não fazendo um julgamento isento da situação ou dos riscos envolvidos;
  • A perda: as pessoas de um modo geral não conseguem assimilar o fato de que são falíveis;
  • O “Efeito Dotação”: um investidor acha que o que ele possui vale mais do que os outros estão dispostos a pagar. Ao se recusar a se desfazer de algo, ele deixa outras oportunidades melhores passarem;
  • A ancoragem: uma referência de preço que indica o quanto algo está barato ou caro. Não leva em conta os critérios que definem o valor justo de um ativo, tais como fundamentos econômicos e o negócio em si;
  • A Contabilidade do Investidor: ele divide seu dinheiro em compartimentos em vez de ter uma visão de “carteira”. Assim, dívidas são contraídas para que não haja o resgate das aplicações;
  • A “Falácia de Monte Carlo”: quando existe uma dificuldade de se entender como os fatores são influenciados uns pelos outros; ou seja, a sua interdependência para se prever a ocorrência de eventos futuros.

Avalie esse texto e nos ajude a melhorar cada vez mais.

Nos ajude a melhorar o conteúdo desse texto! Envie um complemento ou correção por aqui para deixar esse conteúdo ainda melhor. Seu nome pode ser citado como revisor desse conteúdo com a sua permissão! ;)

Envie sua sugestão


Conheça também os termos relacionados