Open Nav

Custeio por absorção

O que é Custeio por Absorção?

Custeio por Absorção é um dos métodos que podem ser aplicados para determinar o custo dos produtos de uma empresa.

Também chamado de “custeio integral”, seu diferencial em relação a outros métodos é que ele considera todos os custos de fabricação que estão associados à produção: diretos e indiretos, fixos e variáveis, de estrutura e operacionais.


Como funciona o Custeio por Absorção?

No método do custeio por absorção, como já antecipamos ali no primeiro tópico,  o cálculo do custo dos produtos diferencia-se por considerar todos os custos da área de fabricação. O nome justamente indica que o cálculo absorve, literalmente, todos os custos.

No entanto, isso não significa que todos os gastos entram no cálculo. Lembre-se custos e despesas são coisas diferentes e são justo as despesas que ficam de fora aqui. Para entender melhor essa diferença, recomendamos que você leia os artigos que deixamos linkados - de forma rápida e completa, você entenderá cada um dos itens rapidinho, ok?

Para fazer um cálculo do custo dos produtos, então, é preciso começar levantando todos os custos de fabricação. Isso inclui desde energia elétrica até mão-de-obra, desde manutenção das máquinas até compra da matéria-prima. 

Depois de fazer esse levantamento, é preciso distribuir cada um dos custos pelo total de produtos. No entanto, aqui é onde algumas pessoas podem errar: não se considera o total de produtos fabricados, mas apenas o total de produtos vendidos

Existem diferentes formas de fazer essa distribuição, mas alguns especialistas recomendam usar o tempo de produção como direcionador. Isso significa que, considerando que uma empresa fabrica vários tipos de produtos diferentes, o tempo de produção de cada um vai determinar quanto ele absorve dos custos.

Como é feito o Custeio por Absorção?

Depois de ver a teoria por trás do cálculo, a melhor maneira de realmente entender o custeio por absorção é ver como ele é feito, por meio de um exemplo. 

Suponha que, em uma fábrica de roupas, observamos os seguintes custos:

  • Custos fixos
    • Aluguel do galpão - R$ 15.000,00
    • Manutenção mensal das máquinas - R$ 10.000,00
  • Custos variáveis
    • Matéria-prima - R$ 10.000,00

Considere que os custos variáveis estão associados com os seguintes números de produção:

  • Produto 1: Calças
    • Fabricadas - 1.000
    • Vendidas - 900
    • Tempo de produção por unidade - 30 minutos
  • Produto 2: Camisas
    • Fabricadas - 2.000
    • Vendidas - 1.500
    • Tempo de produção por unidade - 20 minutos

Nesse cenário, temos que o custo total é de R$ 35.000,00. O tempo de produção total das calças é de 30.000 minutos. O tempo de produção total das camisas é de 40.000 minutos. O tempo de produção total é de 70.000 minutos.

Fazendo as contas, descobrimos que o tempo de produção total das calças corresponde a 42,86% do tempo de produção total, enquanto o tempo de produção total das camisas corresponde a 57,14%.

Distribuímos o custo total por essas porcentagens. Então, descobrimos que o custo de produção das calças é de R$ 15.001,00 e das camisas, R$ 19.999,00.

Por fim, dividimos esses custos pela quantidade de produtos vendidos de cada tipo. Ou seja, o custo de produção das calças é de R$ 15,00 e das camisas, R$ 9,99.

Por que o Custeio por Absorção é um bom método?

Como o custeio por absorção considera todos os custos envolvidos na produção – não apenas os variáveis, diretos e operacionais, como se observa em outros métodos – ele oferece uma representação mais fiel do quanto a empresa realmente gasta para fabricar uma unidade de um item que ela produz. Dessa forma, os gestores têm uma informação relevante para precificar seus produtos corretamente, evitando prejuízos.

Além disso, como o cálculo do custeio por absorção é realizado considerando apenas os produtos vendidos, e não todos os fabricados, também se evita um erro ao distribuir os custos entre produtos que ficaram parados no estoque e, portanto, não geraram receita.

Se uma unidade não gera receita, ela não recupera o gasto que houve em sua fabricação. Por isso, considerá-la no custeio pode causar um ponto cego na precificação e levar os gestores a estabelecer um preço de venda insuficiente para apurar lucro.

Avalie esse texto e nos ajude a melhorar cada vez mais.

Nos ajude a melhorar o conteúdo desse texto! Envie um complemento ou correção por aqui para deixar esse conteúdo ainda melhor. Seu nome pode ser citado como revisor desse conteúdo com a sua permissão! ;)

Envie sua sugestão


Conheça também os termos relacionados