Última modificação em 15 de outubro de 2020

O que são Covered Bonds?

Os Covered Bonds são títulos de dívida compostos por pacotes de empréstimos emitidos pelos bancos cuja principal característica está possibilidade de uma revenda.

Outro fator importante da modalidade é que eles oferecem algum tipo de garantia (de onde deriva o nome de "título coberto", em uma tradução livre para o português). Essas garantias podem envolver financiamentos imobiliários ou empréstimos realizados ao setor público (governo).

Importante mencionar ainda que essa garantia é responsável por transmitir maior confiabilidade aos investidores, algo que pode ser encarado como positivo pelo mercado e aumentar o interesse neste formato de título em relação aos outros em que há menor confiabilidade de pagamento.

Se a emissora do título de dívida tiver algum problema de pagamento ou mesmo passar por um processo de falência, os credores possuem preferência sobre os ativos oferecidos como garantia dos Covered Bonds.

Descomplicando a Bolsa de Valores

Como funcionam os Covered Bonds?

Os instrumentos de Covered Bonds são gerenciados pelos bancos que, originalmente, vendem os pacotes de empréstimos para outras instituições financeiras que, por sua vez, emitem os títulos ao mercado.

Apesar das garantias que envolvem esse ativo, os Covered Bons são, assim como outros formatos de títulos de dívida, uma importante fonte para captação de recursos para os emissores dos papéis. Geralmente, até mesmo pela inclusão de ativos da economia real como forma de garantir o pagamento aos investidores, são utilizados com foco em horizonte de longo prazo.

Ao mesmo tempo, também em função da maior confiabilidade transmitida ao mercado com as garantias, afinal, os emissores dos Covered Bonds podem aproveitar a oferta de taxas menores, tornando a sua dívida mais barata junto aos credores.

Os Covered Bonds são seguros?

Como sempre acontece quando o assunto são os títulos de dívida, é natural que investidores se preocupem com a segurança oferecida por esse formato de ativo e, consequentemente, com o risco de crédito.

Na maioria das vezes, justamente pela cobertura oferecida, esses títulos recebem alta qualificação no mercado de crédito — como AAA, por exemplo. Isso significa que eles são muito seguros e a chance de recebimento do dinheiro investido é realmente grande.

Boa parte dessa confiança em relação à segurança do título se deve às garantias que, afinal, permitem o recebimento de eventuais valores devidos mesmo em caso de insolvência do emissor.

Covered Bonds pelo mundo

Outro ponto interessante é que esse tipo de título é mais comum na Europa, onde são trabalhados há bastante tempo. Em 1988, inclusive, houve a flexibilização de títulos cobertos por parte da União Europeia. Um claro sinal de incentivo ao investimento.

No período recente, também tem sido mais comum vê-los em funcionamento nos Estados Unidos. Muito se deve à participação de grandes instituições financeiras do país — como Bank of America, JP Morgan e Citigroup, por exemplo.

Quando os grandes bancos americanos passam a oferecer esse ativo aos seus clientes, eles transmitem um sinal positivo ao mercado financeiro em relação aos títulos de dívida. Naturalmente, aumenta o interesse dos investidores.

Quais são as vantagens dos Covered Bonds?

Existem algumas vantagens dos Covered Bonds que faz com que esse tipo de título seja cada vez mais utilizado no mercado financeiro. Vamos então ver quais são os principais benefícios para as partes envolvidas no processo.

Em primeiro lugar, conforme já conversamos, eles apresentam maior segurança e transparência ao investidor, deixando-o mais inclinado e interessado a investir nesta classe de ativo.

No entanto, não é apenas o comprador dos títulos que tem benefícios e ganhos com esse papel. Para os emissores da dívida, os Covered Bonds permitem a liberação de recursos para outras atividades, algo que é benéfico para a economia como um todo.

Como Investir nos Melhores Fundos

Termo do dia

Eurasia

Confira como a empresa de consultoria Eurasia relaciona o cenário político aos rumos do mercado financeiro.

Veja outros termos