Última modificação em 16 de novembro de 2020

O que é correlação?

Correlação é, a rigor, uma medida estatística que informa se existe uma relação entre duas variáveis. Aplicando essa definição para o mercado financeiro, ela passa a ser útil na compreensão do comportamento entre dois ou mais ativos, ou seja, esse parâmetro responde a perguntas como: se determinado acontecimento na economia muda um ativo A, o que acontece com o ativo B?

Antes de avançar neste conceito, lembre-se de que essa medida é diferente de causalidade. O fato de um galo cantar e o nascer do sol estão correlacionados, mas o sol não nasce por causa do canto do galo, por exemplo. Saber disso também é importante para manter sua carteira segura, já que você deve acompanhar as atualidades na economia e tomar decisões assertivas em relação aos ativos.

A correlação é uma medida que também aparece na Teoria Moderna do Portfolio, de Harry Markowitz. O economista declarava que o risco de um portfolio é composto por uma função das variâncias junto com as correlações dos ativos.

Aproveite para assistir nosso vídeo exclusivo sobre este tema:

Quais são os tipos de correlação?

Correlação negativa

Ocorre quando os ativos caminham em direção contrária, por exemplo: toda vez que o dólar se valoriza, o Ibovespa é desvalorizado. Então se um ativo do seu portfolio de investimentos se desvalorizar e prejudicar seus rendimentos, haverá pelo menos um que aumentará de valor, o que tende a manter a sua carteira equilibrada. O índice deve estar próximo de -1.

Mas isso também não quer dizer que você deve pulverizar a carteira e ter 10 fundos diferentes. Esse excesso atrapalha a análise dos investimentos. No geral, ter, no máximo, quatro ativos de gestores diferentes pode proporcionar um bom índice de correlação.

Outra dica para obter correlação negativa é ter ativos de duas empresas concorrentes, Coca-Cola e Pepsi, por exemplo. Se nesse setor de bebidas, um novo produto da Pepsi tem seu preço aumentado, o da Coca-Cola deve cair. Em resumo: selecione um mercado competitivo e escolha duas empresas concorrentes para investir.

Correlação positiva

Por outro lado, a correlação se torna positiva quando todos os seus ativos se valorizam juntos. Seu índice passa a ser próximo de +1 e isso não indica precisamente que se trata de um bom negócio, já que, quando o mercado cair, sua carteira pode despencar também.

Se você opta por investir em ações da Bolsa, não adianta aplicar em várias empresas achando que haverá diversificação. É necessário variar entre os investimentos, incluindo títulos internacionais, por exemplo.

Correlação neutra

Já quando um ativo não tem relação alguma com o outro, temos a correlação neutra, próxima de zero, que, na prática, não existe. O mercado é complexo e é impossível ver essa neutralidade absoluta entre os investimentos. Por isso, a melhor correlação é a mais próxima de -1 ou zero.

Como fazer o cálculo da correlação?

Normalmente, existem softwares que facilitam essa análise. Mas se você não tiver acesso a eles, é possível obter o índice pelo Excel mesmo.

Crie uma coluna com os retornos diários (não a cota acumulada) de um fundo ou ativo e uma coluna B para os retornos diários do outro ativo ou fundo. A seguir, aplique a fórmula =CORREL(colunaA, colunaB). Ela irá calcular a correlação entre os dois ativos, exibindo como resultado um número entre -1 e +1.

Mas se você quiser analisar mais de dois ativos, crie uma matriz indo até o menu “Dados” e suplemento “Análise de Dados”, já disponível no programa. A seguir, escolha a opção Correlação. Na janela que vai aparecer, selecione os investimentos que serão comparados e as opções de plotagem dos resultados. As correlações vão surgir em outra aba.

Termo do dia

PAI – Plano de Aposentadoria Incentivada

O que é o Plano de Aposentadoria Incentivada? Plano de Aposentadoria Incentivada é o nome que se dá a uma modalidade de desligamento de um empregado,…