Open Nav Logo Mais Retorno

O que é Correlação nos investimentos e cuidados com a Causalidade?

Por:
26/03/2019

A estatística está presente diariamente nos mercados financeiros. Média, variância, desvio padrão, mediana, todas são medidas comumente utilizadas para inferirmos sobre retorno de algum ativo e seu risco.

Outra medida muito importante também é a correlação. É um importante instrumento para montagem de uma carteira diversificada.

E claro, uma carteira diversificada é um ponto primordial para ser levado em consideração ao investirmos no mercado financeiro. Conhecer a correlação e também a sua diferença para a causalidade, portanto, é imprescindível.

Por isso, continue lendo para saber mais sobre:

O que é Correlação

O que é correlação

De maneira simples, correlação é uma forma de mensurar a relação entre duas variáveis. Certo, ficou um pouco técnico demais.

Então, trazendo mais especificamente para o nosso mundo financeiro, a correlação é a forma de se medir como dois ativos diversos se relacionam.

Quando eu digo se relacionam, quero dizer que tentamos entender o que acontece com um ativo quando o outro se mexe em determinada direção.

Ou seja, se o preço de um ativo subir, o outro vai cair, subir ou permanecerá inalterado?

Usando um exemplo do nosso dia-dia, podemos dizer que existe uma relação de que as vendas de sorvete aumentam quando a venda de roupas de frio diminui.

Dizemos que existe nesse caso uma correlação negativa ou contrária entre a venda desses produtos.

Em estatística, colocamos números nessa medida para medir quão grande (ou forte) é essa relação entre duas variáveis. Para isso, utilizamos o índice de correlação de Pearson, que normaliza essa medida para um valor que varia de -1 até +1.

Não se incomode com isso, mas apenas a título de curiosidade, a fórmula é a seguinte:

Onde Cov (x,y) é a covariância entre esses dois ativos e Sx e Sy é o desvio padrão desses ativos.

Agora, voltando à aplicação prática desse cálculo, lembre-se que essa medida vai de -1 a 1.

Quando o valor for -1, isso significa que temos uma correlação contrária perfeita. Isto é, quando o preço de um ativo subir, o outro irá cair na mesma magnitude e vice-versa.

Do mesmo modo, quando essa estatística for 1 (positivo), temos uma correlação perfeitamente positiva. Isso quer dizer que quando o preço de um ativo subir, o outro também subirá na mesma magnitude.

Existe também o meio do caminho. Quando a correlação for igual a 0, isso significa que não existe relação alguma entre as variáveis. Se o preço de um ativo subir ou cair, pouco importa para o que acontecerá com o outro.

É claro que eu citei os extremos. É muito difícil que se tenha uma correlação perfeita como a que citei, de 1 ou -1. Utilizamos esses extremos apenas como referência.

Então, quanto mais próximo desses números, maior a correlação, seja positiva (1) ou negativa (-1).

Assim, quanto mais próximo de zero, menor a correlação entre as duas variáveis.


O que é Causalidade e diferenças

O que é causalidade e diferenças

Não vou perder muito tempo explicando o que é causalidade, pois o nome é praticamente autoexplicativo.

Causalidade é a relação de causa mesmo. Ou seja, o que uma variável sofre é explicado pelo efeito que uma outra variável causa nela.

Por exemplo, as pessoas tomam menos sorvete no inverno. Isso é causado pela temperatura fria, que inibe que as pessoas tomem gelado.

Ora, falamos que a correlação é a forma como duas variáveis se relacionam e isso muitas vezes nos leva a associar a correlação com causalidade.

Afinal, quando dois ativos se relacionam de forma muito singular, é natural pensar isso.

No entanto, isso é um erro comumente cometido. Não é só porque as variáveis se movimentem de uma forma específica e parecida que uma delas cause a outra.

Sim, as variáveis podem ter uma correlação alta, mas não podemos simplesmente dizer que A causa B. E se ao contrário B causar A?

E mais, se o movimento das variáveis estiver relacionado a um outro efeito alheio as duas variáveis (uma terceira variável que nem foi considerada na sua análise).

No exemplo que citei lá em cima de que a venda de roupas de frio aumenta quando a venda de sorvetes cai isso é claro: Não é o aumento da venda de roupas de frio que está causando a queda na venda de sorvetes! Ambos os eventos estão sendo causados pela queda da temperatura.

Ou seja, um evento alheio aos dois produtos analisados é que está determinando as suas vendas.

Isso é muito importante, pois caso você associe a causalidade errada para compreender uma correlação, pode tomar uma decisão equivocada.

Usar roupas de frio no verão não vai te impedir de tomar sorvete para ficar mais magro. Pelo contrário, vai fazer você ter ainda mais vontade de os tomar para refrescar o “calorão” que estará passando!

Carteira de investimentos diversificada

Carteira de investimentos diversificada

Você já conferiu aqui a importância da construção de uma carteira diversificada.

Sempre recomendamos a diversificação como uma forma essencial para diminuir os riscos do seu patrimônio financeiro. A frase clássica que simplifica essa ideia é: “nunca coloque todos os ovos em uma única cesta”.

Uma carteira diversificada evita grandes perdas que poderiam acontecer caso você investisse em apenas um ativo.

Mas a construção dessa carteira tem de ser feita de maneira racional. E quando digo racional vou recorrer ao que discutimos acima.

Uma boa carteira diversificada é composta de ativos que possuam uma correlação negativa. É exatamente isso que diminui o risco da carteira.

Imagine que ocorra um evento no qual algum ativo da sua carteira se desvalorize bruscamente. Ora, como eles possuem uma correlação negativa, muito provavelmente o outro ativo da sua diversificação registrará ganhos robustos.

E é muito provável que um evento alheio a esses dois ativos cause esse efeito. Portanto, você consegue construir uma carteira diversificada se atentando principalmente à correlação entre os ativos dela.

Por exemplo, ações de bancos tendem a se valorizar com juros mais altos, enquanto empresas de varejo tendem a se desvalorizar.

Agora imagine um evento independente das duas ações que poderia causar esse movimento nelas: a alta da taxa de juros.

Ora, caso você tenha ativos dessas duas classes de ações na sua carteira, estará protegido contra a alta de juros. É claro que você terá perdas com a ação varejista, mas ganhará com ações de bancos.

Você pode até pensar que ganharia caso tivesse apenas ações de bancos.

Mas esse cenário é sempre incerto e se proteger com uma carteira diversificada é um caminho mais seguro a ser seguido.

E isso vale para qualquer ativo de renda variável da sua carteira de investimentos: ações, fundos, câmbio e assim por diante.

Conclusão

A correlação indica como duas variáveis se relacionam. Essa relação pode ser negativa, positiva ou nula.

Isso, apesar de indicar uma pista, é diferente da causalidade, que nos diz qual variável determina a outra. Isso porque, no limite, o movimento de dois ativos distintos pode ser fruto do efeito de um terceiro motivo.

Levando para as finanças, que é o que estamos interessados, a correlação é importante na construção de uma carteira diversificada que irá diminuir os riscos que você está incorrendo. Para isso, devemos procurar ativos negativamente correlacionados.

O que achou desse texto? Se deseja contribuir mais com o assunto, comente abaixo!

Compartilhe esse conteúdo com mais investidores que você deseja ajudar a conquistar Mais Retorno conhecendo a as diferenças entre correlação e causalidade.

Avalie esse texto e nos ajude a melhorar cada vez mais.

Leia também:

Sobre o autor

  • Vinicius Alves
  • Economista, atuou no departamento econômico de empresas de sell side no mercado financeiro. Já foi Top-5 de projeção de inflação de curto prazo do BC.

Deixe seu comentário aqui

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


0 Comentários