Mercado Financeiro

Dentro do Mercado Financeiro, nós encontramos diversos tipos de produtos, cada qual com as suas próprias características. Isso, ao menos em um primeiro momento, está longe de ser uma grande novidade.

O ponto é que essas características podem se tornar grandes aliadas se você souber como usá-las a seu favor. E aqui não estamos pensando nos fatores básicos como estratégia, nível de risco ou perfil de investidor, mas sim dos benefícios que eles podem oferecer ao investidor.

Hoje, vamos compartilhar alguns desses "truques" do Mercado Financeiro e como estar atento a esses detalhes pode ajudar a produzir alguns resultados poderosos no longo prazo.

Quais são as vantagens fiscais dos produtos do Mercado Financeiro?

A seguir, preparamos uma lista com características e benefícios apresentadas pelos produtos que você encontra na sua corretora. Tente usá-los a seu favor na hora de investir, mas sempre ciente também dos riscos e comportamentos que eles trazem consigo.

O que quero dizer é que, ainda que o produto tenha um benefício fiscal e isente você de Imposto de Renda, por exemplo, esse não é um motivo para você investir nele. É preciso antes compreender tudo que envolve o ativo para garantir que o seu perfil é aderente ao mesmo.

Ações: isenção em venda para até R$20 mil

A primeira dica é até bastante conhecida, até porque é um dos mercados mais utilizados na renda variável. Atualmente, o governo brasileiro determina que as ações sejam isentas de tributação até o volume de R$20 mil.

Ou seja, se você te mais de R$20 mil investidos em companhias e resolver vender alguns dos papéis, tente tomar o cuidado de não realizar o lucro de valores superiores a essa faixa mensalmente. Assim, a venda é isenta do Imposto de Renda e, portanto, o seu lucro será líquido.

Importante mencionar que, neste caso, a conta não vale apenas para uma empresa, mas sim para as suas movimentações mensais. A menos que exista urgência na recuperação do seu capital, pode valer a pena "parcelar" as vendas e obter esse benefício fiscal.

Ademais, vale lembrar que o Imposto de Renda só é aplicável para o ganho de capital. Isto é, se você vender ação com prejuízo não terá imposto a pagar e ainda poderá descontar dos lucros posteriores. No entanto, o montante movimentado também conta para o limite mensal, ok?

Fundos imobiliários: rendimentos isentos de Imposto de Renda

Outro formato de ativo muito utilizado pelos investidores é o mercado de fundos imobiliários. Nesta modalidade, você tem fundos de investimentos especializados em imóveis e ativos correlacionados e que possuem como característica o compartilhamento dos rendimentos mensais aos seus cotistas.

Os fundos imobiliários também pertencem à renda variável e são negociados na Bolsa de Valores, o que significa que você tem um funcionamento similar ao mercado de ações. Contudo, não há a isenção dos lucros até as vendas de R$20 mil. Se houver lucro ao vender suas cotas, ele será tributado.

Por outro lado, os rendimentos pagos mensalmente estão dentro da isenção oferecida pelo governo. Isto é, você pode obter um fluxo de caixa líquido por meio dos fundos imobiliários, configurando-se em uma nova vantagem para o investidor.

Vale lembrar que essa isenção é um plano estratégico do governo visando o incentivo ao mercado imobiliário e que pode ser revogada futuramente. No entanto, até lá, é uma vantagem que você pode levar em consideração na montagem da sua carteira de investimentos.

LCI e LCA: a segurança da renda fixa livre de tributação

Já que abordamos o mercado imobiliário, podemos também englobar outro ativo que possui isenção do Imposto de Renda como benefício fiscal por parte do governo. Um não, mas dois: as Letras de Crédito Imobiliárias (LCI) e as Letras de Crédito do Agronegócio (LCA).

Esses são investimentos bancários cujo valor deve ser aplicado, necessariamente, nos mercados mencionados. Isto é, o dinheiro do investimento é destinado para o mercado imobiliário e agrícola, respectivamente, dois setores importantes da economia nacional.

Em função disso, ambos possuem o mesmo benefício: a isenção da cobrança de Imposto de Renda. Se o objetivo é estimular os investimentos, para você é mais um ativo com algum tipo de vantagem para obtenção de lucro.

A dica aqui é ficar atento na hora de comparar esses ativos com outros formatos da renda fixa. Isso porque, em muitos casos, a rentabilidade oferecida será inferior aos seus produtos concorrentes, como o CDB (Certificado de Depósito Bancário). Entretanto, após a aplicação da tributação, eles se tornam mais atrativos. Fique atento aos detalhes.

ETF: na renda fixa, você foge do come-cotas

Os ETFs são um formato de fundo de investimentos que tem por objetivo replicar um índice ou indicador. Por esse motivo, são úteis para investidores que buscam acompanhar uma referência no Mercado Financeiro.

Acontece que os fundos de investimentos possuem os temidos come-cotas, nome dado ao imposto aplicado diretamente na fonte do seu capital. Ou seja, você paga os seus tributos antes mesmo de receber o seu lucro em um resgate.

Não é o que acontece com os ETFs de renda fixa, pois são isentos da aplicação de come-cotas. Importante mencionar que o benefício não se estende a outros formatos de ETFs, ok?

Debêntures incentivadas: mais um ótimo investimento com isenção tributária

Por fim, podemos falar também das debêntures incentivadas. As debêntures são, em resumo, os títulos emitidos pelas empresas do setor privado para captação de recursos. Naturalmente, são ativos que possuem cobrança de Imposto de Renda sobre os lucros obtidos.

Contudo, existe um formato específico que é chamado de debêntures incentivadas. Esse título é destinado especificamente para a captação de recursos para infraestrutura e outros benefícios sociais, de modo que também é oferecida uma isenção do Imposto de Renda.

Deu para entender como aproveitar os ativos a seu favor?

A ideia deste texto foi apresentar alguns dos detalhes de tributação dos ativos oferecidos pelo Mercado Financeiro e como uma breve análise das suas características permite que você encontre boas oportunidades para lucrar mais com investimentos.

O grande objetivo é perceber que ativos isentos de impostos permitem que o nosso lucro seja maior na medida em que os ganhos de capital já são líquidos, isto é, não serão tributados. Sendo assim, fique sempre atento aos detalhes e faça das regras dos produtos um aliado no Mercado Financeiro.

Imagem do autor

Formado em Administração pela PUC-SP. Trabalhou em empresas do segmento financeiro (Itaú BBA) e varejo (BRMALLS) até 2016, quando iniciou a jornada de produção de conteúdo para a internet com foco em finanças.


Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Qual a diferença entre um analista buy-side e um sell-side?
Mercado Financeiro
Por que o Warren Buffett orienta você a NÃO investir tentando acertar a grande tacada?
Mercado Financeiro
Onde investir com a Taxa Selic a 5%?
Mercado Financeiro
O que é e para que serve o capital social de uma empresa?
Mercado Financeiro
Veja mais Ver mais