“A Bovespa subiu impulsionada pelas Blue chips do setor financeiro”. “O índice Small Caps está apresentando um desempenho impressionante”. “Essa Mid Cap tem potencial para virar uma Blue Chip”.

Essas são frases comuns ao se falar de renda variável e elas representam empresas de algum porte.

É inevitável colocar alguns nomes em inglês para descrever conceitos por aqui. Para o jargão do mercado financeiro, isso é ainda mais verdade.

Mas calma! Hoje iremos destrinchar essas palavras e você verá que não existe nada demais e que são apenas termos para designar diferentes segmentos de empresas de acordo com seu potencial.

Ao final do texto, você estará até mesmo utilizando esses termos quando estiver tendo uma conversa de mercado financeiro.

Por isso, continue lendo para saber mais sobre:

  1. O que são Blue Chips?
  2. E Mid Caps?
  3. Por fim, Small Caps

O que são Blue Chips?

O que são Blue Chips

As Blue Chips são as mais famosas, as que mais aparecem no noticiário e são mais citadas. Isso ocorre, naturalmente, pois são as mais importantes.

O termo Blue Chip é originário do pôquer, onde as fichas azuis (blue chips) são as mais valiosas.

Reza a lenda que a expressão Blue Chip  surgiu no final da década de 1920, quando um funcionário da Dow Jones se referiu dessa maneira às ações que apresentavam cotações altas para a época.

Essas são as maiores empresas listadas em bolsa e que tendem a ter o maior peso no Ibovespa (relembre a metodologia do índice aqui).

São consideradas empresas seguras e consolidadas.

Isso não significa que seu preço não irá variar para cima ou para baixo, mas que dificilmente essas empresas irão “quebrar”.

Exatamente por serem maiores, mais negociadas e terem maior peso no índice Ibovespa, as Blue chips, em grande parte das vezes, são as responsáveis pela variação do índice total.

Isto é, se as Blue Chips têm um movimento de alta, muito provavelmente o Ibovespa também irá subir.

As Blue Chips, em geral têm as seguintes características:

  • Alto Valor de mercado
  • Liquidez extremamente elevada
  • Forte geração de caixa
  • Boa governança corporativa (preocupada em prover informações a todos)
  • Distribuição de lucros

No Ibovespa, essas são algumas das Blue Chips:

  • Petrobrás
  • Vale
  • Itaú
  • Bradesco
  • Ambev
  • Banco do Brasil
  • B3

E Mid Caps?

O que são Mid Caps

As Blue Chips são as maiores empresas que existem no mercado de ações. Mas nem todo mundo nasce Blue Chip.

As Mid Caps são empresas de média capitalização e costumam ter entre 2 e 10 bilhões de reais de capitalização (ou valor de mercado) e ter um volume negociado na ordem de milhões de reais.

Muitos gestores gostam desse tipo de ações, pois são empresas com uma estrutura bastante sólida já, mas que ainda não atingiram o patamar de uma Blue Chip. Logo, possuem um potencial imenso de valorização.

É esperado que essas empresas cresçam seus lucros, sua participação de mercado (Market Share) e consequentemente seu valor de mercado.

Elas não são tão conhecidas como as Blue Chips e não exercem tanto peso no Ibovespa. Assim, as vezes podem estar tendo um desempenho que destoa do índice cheio.

Por isso, a B3 criou um índice exclusivo das Mid Caps, o MLCX, que é o resultado de uma carteira teórica de ações de empresa desse porte.

Alguns exemplos de Mid Caps do mercado Brasileiro:

  • Natura
  • MRV
  • Marfrig
  • Cyrela

Small Caps

O que são Small Caps

As Small Caps são as caçulas. São empresas recentes, que estão em fase embrionária ainda. Fala-se em valor de mercado de até R$ 2 bilhões.

São empresas que ainda estão buscando seu lugar ao sol. Geralmente são as mais arrojadas, participam de setores pouco consolidados, buscam inovar.

As famosas startups de hoje em dia se enquadram na definição das Small Caps. As startups estão buscando novas formas de prestar serviços, se inserir de forma diferente de tudo que está sendo ofertado.

Essas empresas, pelo nicho que ocupam e como tentam se diferenciar e ofertar serviços inovadores, possuem um risco maior, pois ainda não são consolidadas.

De novo a relação risco x retorno aparece aqui.

Por serem mais arriscadas, quando acertam, geralmente o resultado é uma coisa extraordinária. Crescem exponencialmente de forma rápida e começam a se consolidar no mercado.

Porém também podem não dar certo e elas também não têm estrutura para passar por grandes turbulências e continuar suas operações.

Elas costumam ser bem sensíveis aos ciclos econômicos.

Quando a economia está em pleno vapor, tendem a ter uma boa performance, inclusive melhor do que as blue Chips e as Mid Caps. Porém, também sofrem mais quando a economia vai mal.

Por essas características, são pouco negociadas na bolsa. Sua liquidez é bem menor e são menos preferidas por gestores de fundos do que as Mid Caps.

A bolsa também faz um índice de Small Caps, trata-se do SMLL. Como os outros, trata-se de uma carteira teórica dessas empresas.

Alguns exemplos de Small Caps no Brasil:

  • Alpargatas
  • Movida
  • Multiplus
  • Via Varejo

Conclusão

Como é natural no mundo capitalista, existem grandes, médias e pequenas empresas listadas na bolsa.

Cada um desses segmentos têm uma peculiaridade e suas vantagens e desvantagens. Ao procurar investir em uma empresa, levar em conta o porte que ela está inserida é uma boa forma de estar preparado em relação ao que se espera com ela.

Tenha sempre em mente seus objetivos e perfil de risco antes de investir em ações.

Espero que após esse texto, você além de entender e discutir com esses termos, tenha uma ideia melhor sobre como cada tipo de empresa tende a desempenhar.

Acha que faltou alguma coisa ou ficou alguma dúvida? Comente abaixo!

Compartilhe esse conteúdo com mais investidores que você deseja ajudar a conquistar Mais Retorno entendendo cada uma das faixas de empresas listadas em bolsa:

Avalie esse texto e nos ajude a melhorar cada vez mais:

Blue Chips, Mid Caps e Small Caps – O que são e como funcionam?
5 (100%) 6 votos