Mercado Financeiro

Quando se fala em investimento, o nome de Benjamin Graham sempre aparece. Ele é considerado uma das maiores autoridades em finanças. Seus princípios e conceitos influenciaram diversos investidores.

Graham é considerado “o pai do investimento em valor”. Ele desenvolveu estratégias de investimento de valor e mudou o conceito da análise de segurança, que orientam investidores de sucesso até hoje.

Benjamin Graham foi o mentor de Warren Buffett, eleito o melhor investidor de todos os tempos.

Quem foi Benjamin Graham?

Benjamin Graham é um dos maiores investidores e entendedores do mercado financeiro do mundo. Ele é o personagem mais influente do setor e foi capaz de revolucionar o mundo acadêmico e financeiro.

Nascido em 9 de maio de 1894, em Londres, com o nome de Benjamin Grossbaum, ele se mudou com a família para Nova Iorque com apenas um ano de idade, para fugir da Primeira Guerra Mundial. Anos depois, o sobrenome da família foi alterado. De origem judia, “Grossbaum” foi mudado para “Graham”, em virtude dos acontecimentos no Império Alemão.

Sua família era formada por empreendedores. Eles tinham um negócio no ramo de importações. Em 1901, o negócio da família entrou em crise após a morte do seu pai. A família enfrentou um período de muita pobreza e sofrimento.

Formação Acadêmica

Benjamin Granham não se deixou abater. Ele usou toda a tristeza pela morte do pai e os problemas financeiros da família para se tornar um excelente estudante. Em 1907, Graham começou a fazer Economia na renomada Universidade de Columbia, em Nova Iorque, com bolsa de estudos. Aos 20 anos, ele se formava com brilhantismo.

Seus resultados acadêmicos eram formidáveis. Por isso, Benjamin Graham foi convidado para lecionar filosofia, matemática e inglês na universidade, mas recusou as ofertas.

A situação financeira da família era muito delicada. Dessa forma, ao terminar os estudos, Benjamin Graham iniciou sua carreira em Wall Street. Ele começou a trabalhar na empresa Newburguer, Henderson and Loeb, como estagiário, ganhando apenas 12 dólares semanais. Ele entregava cheques e documentos, fazia a descrição da emissão dos ativos e escrevia a carta de mercado da empresa todos os dias.

Com o passar do tempo, o brilhantismo de Benjamin passou a aparecer. Ele analisava a saúde financeira das empresas e essa se tornou sua função principal.

Seis anos depois, em 1920, Graham se tornou um dos sócios da empresa, com apenas 26 anos. Três anos depois, ele deixou a empresa para criar a sua própria.

Abertura da primeira empresa

Em 1926, abriu uma empresa com seu colega de faculdade, Jerome Newman, a companhia Graham-Newman. Foi nessa empresa que Warren Buffet teve seus primeiros trabalhos.

Em 1928, Graham se tornou professor onde se formou. Lá, o futuro guru dos investimentos começou a ministrar aulas para David Dodd, que acabou se tornando seu parceiro nas publicações Security Analysis (1934) e O investidor inteligente (1949).

O primeiro livro é considerado a bíblia dos investidores sérios e o livro definitivo sobre o universo das finanças. No segundo livro, Graham apresentou ao mundo os conceitos de “senhor mercado” e investimento em valor, com os quais ele ficou mundialmente conhecimento.

Com a Grande Depressão em 1929, a empresa quase faliu. A sociedade só continuou com a ajuda dos amigos e graças aos conceitos desenvolvidos por Graham sobre valor de investimento e análise de risco.

Inovação nos conceitos

Graham defendia que os investidores deveriam evitar riscos ao aplicar. Para isso, eles precisavam entender quais eram os ativos que entregavam uma margem de segurança considerável. Segundo Benjamin, a maioria das pessoas do mercado de investimento não entendiam como ele funcionava e só estavam buscando ganhos a curto prazo.

Graham inovou os conceitos financeiros na época, que são reconhecidos por estudiosos e investidores em todo mundo. Uma de suas frases mais marcantes é que não há como prever o mercado de ações e  como ele é volátil.

Ao conceituar sobre o mercado de ações, Graham fez a separação da figura do especulador do investidor. Dessa forma, ele influenciou gerações de investidores. O maior investidor de todos os tempos, Warren Buffet, foi influenciado por Benjamin Graham.

Warren Buffet entrou na vida de Graham em 1950. Ele aprendeu várias lições com seu guru e o sucedeu no mercado financeiro, aplicando seus conceitos até hoje.

Benjamin Graham deu aulas na Universidade de Columbia até os 62 anos. Ele faleceu em 21 de setembro de 1976, aos 82 anos, de causas naturais.

A importância de Benjamin Graham para o mercado de investimento

Benjamin Graham era um investidor profissional e acumulou grandes fortunas. Com sua empresa Graham-Newman, ele obteve um ótimo track record de seus ativos. Seus ensinamentos foram concentrados nas suas publicações.

Em 1934, Benjamin Graham publicou seu primeiro livro – Securtiy Analysis. Nele, ele documentou métodos e análises para avaliar título. Essa obra foi considerada uma das melhores publicações de investimentos do período.

Graham acreditava que os investidores não deveriam pagar por estimativas de lucros que seriam otimistas demais. Eles precisam entender as implicações e a importância do fator risco nas operações da bolsa de valores.

Para ele, os investidores deveriam esperar que suas carteiras sejam voláteis, sem achar que isso é algo negativo.

O conceito de margem de segurança se baseia no fato que o investidor deve analisar as ações de forma bem conservadora e investir apenas naquelas que são realmente baratas.

São três fatores que podem oferecer uma margem de segurança para os investidores: as flutuações do mercado de ações, a incapacidade de prever o futuro e a irracionalidade dos investidores. Mas a compra de ações que estão subvalorizadas é a mais importante. O pensamento é simples: ao comprar ações de empresas mais baratas, não haverá muito espaço para uma nova desvalorização.

Além disso, os investidores conseguem uma boa margem de segurança ao diversificarem sua carteira, adquirindo ações de empresas com baixo índice de endividamento e elevado rendimento. Graham acreditava que não se pode investir tudo numa única aplicação. Ele reforça sua ideia de análise de risco ao afirmar que o valor das ações no presente depende de lucros e dividendos. Considerando esses pontos, ninguém pode prever com certeza.

Senhor Mercado

Graham também criou o conceito de “Senhor Mercado”. Muitas vezes, o economista dizia que o mercado agia como se fosse uma pessoa que possui desejos e medos. Um dia, ele estava muito otimista com relação ao futuro, oferecendo valores elevados pelos ativos. Outras vezes, o Senhor Mercado estava pessimista, com baixas expectativas, e isso se reflete na precificação das ações.

Isso significa que os ativos poderiam sofrer oscilações sem nenhum fator prático. E o investidor é livre para aceitar ou ignorar o Sr. Mercado. Mas se o investidor ignorar o Sr. Mercado, ele poderá voltar a negociar um novo valor pelas ações.

Entre outras palavras, quando há oscilações bruscas no valor de ações, pode ser mais reflexo das práticas e emoções dos investidores do que algo relacionado ao mercado financeiro. Dessa forma, o valor real do ativo acaba não sendo captado, pois o mercado de ações é volátil.

Quando o investidor é inteligente, ele enxerga o vai e volta do Sr. Mercado como a perfeita oportunidade de comprar. Dessa forma, o conceito do Sr. Mercado ampara que as decisões tomadas pelos investidores precisam ser racionais e baseadas em fatos. Segundo Graham, só se compra no mercado quando o preço oferecido vai de encontro com o valor estimado.

Esses conceitos são utilizados por investidores de renome até hoje, como Warren Buffett, Irving Kahn e Charlie Munger.

Diferença entre investidor e especulador

De acordo com o professor, nem todo mundo que opera na bolsa de valores é realmente um investidor. O investidor, quando adquire uma ação, se vê como sócio da empresa em que está alocando seu dinheiro. Já o especulador só enxerga papéis sem valor inerente e compreende o valor do momento que as pessoas podem pagar por eles.

Graham considera que um investimento inteligente é aquele garante um retorno adequado e segurança ao valor investido, conforme análises. Operações que não seguem essas exigências são apenas especulativas.

Para Benjamin, os especuladores não fazem uma análise profunda. Eles só compram um ativo, apostando que ele vai se valorizar e alguém vai pagar mais caro. Eles não têm o interesse de manter as ações ao longo prazo. Estão focados apenas no curto período. Sua principal motivação é apenas o potencial lucro.

Mas lembre-se que a presença dos especuladores no mercado de ações não é algo ruim. São eles que dão a liquidez para o mercado.

O que é value-investing?

Benjamin Graham é considerado o pai do investimento em valor, ou value investing.

Ele desenvolveu esse conceito com base em dois pontos que os investidores precisam ficar atentos:

O primeiro aspecto refere-se à importância de comprar ações sempre por um preço menor que elas valem. Isso, na prática, é muito difícil. Para isso, o investidor precisa ter uma capacidade observadora e analítica para entender os sinais do mercado financeiro, quando uma ação está realmente abaixo do valor real. A partir daí, é possível investir com segurança.

O segundo item diz respeito à análise fundamentalista. O investidor não pode decidir pela compra de um ativo apenas nos seus movimentos de queda e de alta. Ele tem obrigação de entender a companhia que está por trás da ação. Entre outras palavras, o investidor precisa ter um olhar estratégico de longo prazo e analisar todo o gerenciamento da empresa: seu crescimento, indicadores financeiros e se as operações são sustentáveis ou não.

Reversão média

Para Graham, quando um investidor adquire um papel, ele realmente tem a posse de uma parte da empresa. Por isso, ele não deve se preocupar com as flutuações do valor das ações. A curto prazo, o Senhor Mercado se comporta de determinada maneira para desestabilizar os investidores. Mas a longo prazo, o investimento pode se tornar uma máquina de dinheiro, pois é impulsionado pela perspectiva de crescimento da empresa.

O investimento em valor é a derivação do valor inerente de um determinado ativo. Pagamento de dividendos, ganhos e análise da ação permitem identificar esse valor. A partir daí, o investidor precisa comparar com o valor de mercado. Quando o valor inerente for maior que o valor de mercado, a ação não está valorizada. Com isso, o investidor pode adquirir o ativo e mantê-lo até que haja uma reversão à média.

O conceito de reversão à média apresenta que, no longo prazo, o valor inerente e o valor de mercado serão os mesmos. Nesse momento, o preço do ativo vai refletir seu valor real.

O investidor inteligente de Benjamin Graham

Benjamin Graham deixou vários ensinamentos, como a divisão entre especulação e investimento, o conceito de value investing, entre outros. Ele escreveu uma série de livros que são considerados obrigatórios para que desejam entender e se aprimorar no mercado financeiro.

As principais obras de Benjamim Graham são:

Muitas obras de Benjamin Graham não foram traduzidas para o português.

O investidor Inteligente

O livro “O investidor inteligente” é considerado um guia dos investimentos e finanças. Ele é a Bíblia para os investidores mais bem-sucedidos do mundo, incluindo Warren Buffet. Publicado pela primeira vez em 1949, o livro ensina os investidores a desenvolverem estratégias no mercado financeiro a longo prazo.

Nele, Benjamin Graham fez uma análise das empresas com precisão cirúrgica e apresentou diversos aspectos de como ganhar dinheiro no mercado de ações, sem correr riscos grandes.

Um dos seus principais ensinamentos é o da prevalência do pensamento de grupo e da irracionalidade no mercado de ações. Para Graham, o investidor inteligente não participa dos caprichos do mercado de ações, ele apenas lucra com esses caprichos.

Os investidores inteligentes precisam analisar as operações e os relatórios financeiros da empresa que deseja investir e ignorar os ruídos do mercado. Esses ruídos do mercado são alimentados pelo medo e ganância dos investidores/especuladores.

E o mais importante, o investidor inteligente busca discrepâncias de preço-valor, isto é, quando o preço de uma ação de mercado é menor que seu valor inerente. Ao identificar essas oportunidades, o investidor inteligente compra. Quando houver o alinhamento entre o valor inerente e o preço de mercado, é hora de vender.

Fórmula de Benjamin Graham

Benjamin Graham só adquiria ações que estavam sendo negociadas a dois terços do seu valor líquido. Isso estabelecia uma margem de segurança.

De acordo com Graham, o valor intrínseco ou inerente de uma ação pode ser definido como aquele valor que pode ser definido por fatos como ganhos, ativos, dividendos e perspectivas definitivas. É o preço justo da ação.

Benjamin Graham simplificou o cálculo desse valor intrínseco, por meio da fórmula abaixo:

Sendo que:

VL = Valor Intrínseco

LPA = Lucro por ação (Lucro total da empresa/ número de ações)

VPA = Valor patrimonial do ativo (patrimônio líquido/ número de ações da empresa)

22,5 = constante (cenário máximo em que Benjamin Graham iria pagar por um determinado ativo). Ele pré-estabeleceu que o preço não ficasse maior que 1,5 vezes o VPA e não excedesse em 15 vezes o lucro por ação (LPA).

50% - 50%

Além disso, a obra O Investidor Inteligente aconselhava que os investidores precisam manter uma carteira composta de 50% de títulos ou dinheiro e 50% de ações. Dessa forma, é possível aproveitar a volatilidade e as flutuações do mercado, evitando comprar ativos que estão apenas na moda. O investidor inteligente analisa e avalia com segurança a empresa em que quer investir.

Esses e outros ensinamentos de Benjamim Graham são atemporais e relevantes até hoje. Ele fazia duras críticas às empresas que tinham métodos irregulares e obscuros para apresentar relatórios financeiros. Isso dificultava uma análise mais precisa da saúde da empresa. Graham também defendia o pagamento de dividendos aos acionistas.

A relação entre Benjamin Graham e Warren Buffet

Warren Buffett foi aluno de Benjamin Graham na Universidade de Columbia. Durante a faculdade, Buffet se ofereceu para trabalhar de graça na companhia de Benjamim. Após formado, Warren Buffett foi contratado pela empresa.

Atualmente, Warren Buffet foi eleito o maior investidor do mundo. Ele é exemplo e fonte de consulta para estudiosos e outros investidores do mercado financeiro em diversos países.

Buffett declarou várias vezes que Benjamin Graham foi seu guru. Ele aprendeu os ensinamentos de Graham e os aplica até hoje. Buffet costuma citar que os livros Security Analysis e O Investidor Inteligente são leituras obrigatórias para qualquer pessoa que deseja iniciar no mercado financeiro.

Sobre a obra O Investidor Inteligente, Warren Buffett afirmou que é o melhor livro já escrito sobre investimentos. Buffett conta que leu a obra aos 19 anos e decidiu se matricular na Universidade de Columbia para estudar com Benjamin Graham. Eles desenvolveram uma amizade que durou a vida inteira.

Conclusão

É inegável que Benjamin Graham é um dos maiores do mercado de investimento. Sua contribuição histórica mudou a forma dos investidores avaliarem seus passos antes de comprar ou vender ativos.

Suas estratégias, conceitos e teorias inseridas em suas obras publicadas se tornaram praticamente leitura obrigatória para quem participa do universo das finanças.

Graham afirmava que um investimento inteligente é aquele que é feito de maneira eficiente. Nesse sentido, a estratégia do investimento em valor faz todo sentido. Benjamin Graham é um dos maiores especialistas em investimento em todo mundo.

Imagem do autor

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Mercado Financeiro
Mercado Financeiro
Economia
Mercado Financeiro
Veja mais Ver mais